Alemanha – 1942: Schalke hexacampeão alemão

Em 5 de julho de 1942, a equipe do Schalke, de Gelsenkirchen, conquistou pela sexta vez o título do Campeonato Alemão de Futebol ao derrotar o Vienna, da Áustria, que na época fazia parte da Grande Alemanha de Hitler.

Logotipo do clube

O futebol alemão é associado atualmente em todo o mundo a uma grande equipe: o Bayern de Munique. Mas houve uma época em que um outro time praticamente dominava o cenário futebolístico do país. Entre 1933 e 1942, o Schalke participou de nove finais do Campeonato Alemão.

Graças a essa época de glórias, o clube da tradicional região mineira fundado em 4 de maio de 1904 tornou-se praticamente uma religião, com torcedores em todas as partes do país.

Mito duradouro

As bases para os anos de glória e seis títulos consecutivos de campeão alemão foram lançadas na década de 20. Em 1933, pela primeira vez a equipe da Região do Ruhr chegou a uma final do Campeonato Alemão. A derrota para o Fortuna Düsseldorf e a perda do título foram compensados 12 meses depois, com a vitória na final contra o Nürnberg. Era o primeiro título nacional do Schalke e o início de uma fase gloriosa.

Até 1942, o clube participou mais sete vezes de uma final e conquistou cinco vezes o título de campeão. A conquista seguinte do Campeonato Alemão veio apenas em 1958.

Internacionalmente, o maior sucesso do Schalke foi o título de campeão da Copa da UEFA em 1997 (derrotou a Juventus Turim na decisão). Após um período de vacas magras em torneios nacionais, o clube voltou a brilhar no início deste século, conquistando em 2001 e 2002 a Copa da Alemanha. O mito prossegue, o entusiasmo de seus torcedores continua inalterado.

Fonte:       http://www.dw.com/pt/

São Paulo – Brasil – 23:57

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Canadá 2015 – Estados Unidos atropelam no início, goleiam e conquistam o tri do Mundial

Americanas levantam a taça, Estados Unidos x Japão, Mundial feminino (Foto: Getty Images)Americanas levantam a taça fazem a festa após o tri do Mundial (Foto: Getty Images)

Quatro anos atrás, o duelo entre Estados Unidos e Japão na final do Mundial feminino foi decidido apenas nos pênaltis, e as japonesas levaram a melhor. Talvez tenha sido por isso que as americanas não tenham perdido tempo neste domingo. Lloyd abriu o placar logo aos dois minutos e, aos 15, fez o seu terceiro gol e o quarto americano em um chute do meio de campo. A seleção japonesa até tentou se encontrar no jogo, mas o dia era americano. Jogando praticamente em casa no estádio lotado em Vancouver, no Canadá, os EUA golearam por 5 a 2 e conquistaram o tricampeonato mundial.

A CRAQUE

Carli Lloyd entrou em campo com a camisa 10 e a braçadeira de capitã dos Estados Unidos e fez jus à responsabilidade. Abriu o placar aos dois minutos, ampliou aos cinco e fez um gol do meio de campo aos 15 para abrir 4 a 0. Foi a melhor do jogo, dividiu a artilharia do Mundial com Sasic com sete gols (levou a Chuteira de Prata por ter jogado mais minutos) e, merecidamente, ganhou a Bola de Ouro como a melhor jogadora do Mundial.

Abby Wambach e Carli Lloyd, Estados Unidos x Japão, Mundial feminino (Foto: Agência Reuters)Abby Wambach recebe braçadeira de Carli Lloyd, Estados Unidos x  (Foto: Agência Reuters)

BELA HOMENAGEM 

Segunda maior goleadora da história das Copas do Mundo, Abby Wambach entrou no jogo aos 33 do segundo tempo e teve toda sua história reconhecida por Carli Lloyd. A camisa 10 passou a braçadeira de capitã para a jogadora de 35 anos. Foi Wambach quem ergueu a taça, ao lado de Christie Rampone, de 40 anos.

SOLO TAMBÉM É PREMIADA

Carli Lloyd não foi a única americana a ganhar um prêmio individual. Hope Solo foi eleita a melhor goleira da competição. A Bola de Prata foi para francesa Amandine Henry, e a japonesa Aya Miyama levou a de Bronze. A canadense Kadeisha Buchanan foi a melhor jogadora jovem, e a França levou o troféu Fair Play.

QUE MORAL

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez questão de parabenizar as tricampeãs. Através das redes sociais, ele convidou a delegação para uma visita à Casa Branca e se disse orgulhoso pela conquista. 

– Que vitória da seleção dos Estados Unidos! Grande jogo Carli Lloyd! Seu país está tão orgulhoso de você. Venha visitar a Casa Branca com a Copa do Mundo em breve.

Fonte:   http://globoesporte.globo.com/

São Paulo – Brasil – 23:54

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Alemão – Agente de Mario Götze reclama da falta de apoio ao jogador no Bayern de Munique

Gotzer está decepcionado

O agente de Mario Götze, Volker Stuth avaliou a temporada do meia-atacante no Bayern de Munique. Mesmo após ter entrado para a história ao marcar o gol do título da Alemanha na final da Copa do Mundo de 2014, contra a Argentina, o jogador de 23 anos não recebeu muitas oportunidades do técnico Pep Guardiola nos Bávaros.  

“Como jogador, ele se pergunta: ‘Por que não sou titular?’ Götze chegou ao Bayern para atuar em grandes partidas e ganhar títulos. É natural que esteja decepcionado e tem refletido, uma vez terminada a temporada. Eu gostaria de ver mais apoio a ele”, declarou Stuth ao Bild.  

No entanto, o agente descartou a saída de Götze nesta janela de transferências. Ele disse: “Mario nem sequer cogitou sair. Se voltar a ganhar confiança será mais fácil demonstrar seu potencial dentro de campo. Então será um dos melhores jogadores do mundo.”

Fonte:   http://www.goal.com/

São Paulo – Brasil – 23:42

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Alemanha – Spahic assina por um ano com o Hamburgo

Spahic

O jogador Emir Spahic vai assinar contrato de um ano com o Hamburgo. Na última temporada o atleta atuou pelo Bayer Leverkusen, mas no momento o bósnio está sem contrato.

O clube alemão rescindiu contrato com Spahic, após o jogador de 34 anos ter envolvido em confusão com a segurança privada do emblema germânico.

Fonte:     http://www.abola.pt/

São Paulo – Brasil – 23:34

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Essen, na Alemanha, foi escolhida a “capital verde” da Europa

O que torna uma cidade sustentável?

Essen, na Alemanha, foi escolhida a “capital verde” da Europa. Mas, para obter esse título, é preciso muito mais do que parques: transporte limpo, medidas contra mudança climática e, sobretudo, inovação.

Antiga mina de carvão em Essen

A cidade de Essen, no oeste da Alemanha, foi escolhida a “capital verde” da Europa para o ano de 2017 – um prêmio dado anualmente pela Comissão Europeia para exemplos de ações ambientalmente importantes, incluindo esforços locais para melhorar o meio ambiente no perímetro urbano e promover o crescimento sustentável.

Desde 2010, o título é concedido a cidades europeias com população superior a 100 mil habitantes. A premiação é dada sempre dois anos antes do período proposto. Para 2016, a vencedora foi Liubliana, na Eslovênia. A inglesa Bristol ganhou o título para 2015, e a capital dinamarquesa Copenhague, no ano passado.

Antigo centro de mineração de carvão, no coração do Vale do Ruhr, Essen foi reconhecida por superar o desafio da sua história industrial e reinventar-se de maneira ambientalmente sustentável. Depois, tornou-se exemplo para outras cidades.

Mas o que, afinal, faz uma cidade ser considerada “verde”?

Inovação em soluções climáticas

Para o concurso, um grupo independente de especialistas analisou as cidades com base em fatores como qualidade do ar, transporte, áreas verdes urbanas e medidas para lidar com as mudanças climáticas.

George Ferguson, prefeito de Bristol, cidade localizada no sudoeste da Inglaterra

George Ferguson, prefeito de Bristol, na Inglaterra, descreve as mudanças climáticas como “o maior desafio” que as cidades europeias precisam encarar. Segundo ele, enfrentar isso depende de inovação – e muitas vezes com bom humor. Exemplo disso é o que ficou popularmente conhecido como “poo bus“, ônibus movido a fezes.

“É o ônibus número dois, e funciona por meio de dejetos humanos. Mas não cheira mal”, brinca Ferguson.

O “poo bus” faz parte da campanha de Bristol para reduzir a emissão de carbono em 40% até 2020. Outras medidas rumo a esse objetivo são apoiadas por projetos que incentivam o aumento da energia renovável e a redução no consumo de energia.

Simpatia em vez de punição

Antecessora de Bristol como “capital verde” da Europa, Copenhague tem ambições ainda maiores quando o assunto é mudança climática. A mais ousada é extinguir a emissão de carbono até 2025. Na última década, a cidade já conseguiu reduzir o índice em 40%.

Há ainda mais esforços dos dinamarqueses para aumentar as estruturas construídas com energia renovável e fomentar o uso adequado das bicicletas, com programas como o “bike-butler” (“mordomo de bicicleta”).

Quando as pessoas estacionam as bicicletas em locais inconvenientes, os “mordomos” as removem. Mas quando os ciclistas chegam para pegá-las de volta, eles não são punidos com multa, mas sim cumprimentados de forma amigável. Pode soar quase inacreditável, mas, além disso, a bicicleta ainda recebe um banho de óleo nas correias e tem os pneus cheios.

“Criando soluções aprazíveis e elegantes para quem pedala, tornamos a atividade ainda mais atrativa”, diz Lykke Leonardsen, chefe da agência municipal que tenta “livrar” Copenhague do carbono.

Aparentemente, funciona. Hoje, em Copenhague, 45% de todos os deslocamentos para o trabalho e para a escola são feitos de bicicleta.

Em Copenhague, 45% dos deslocamentos para o trabalho e para a escola são feitos de bicicleta

Infraestrutura verde

Além de reduzir a emissão de carbono, uma “cidade verde” deve ser também literalmente verde. Isso, porém, não significa apenas ter parques. A expressão da moda em termos de planejamento urbano é “infraestrutura verde”, definida como áreas naturais projetadas para desempenhar uma série de funções.

Ronan Uhel, da agência europeia de meio ambiente, conceitua a infraestrutura verde como “uma solução de base natural” que também pode contribuir para a preservação da biodiversidade.

“Pode estar relacionado à eficiência energética de prédios, pode suavizar as divisões das nossas paisagens, pode ser útil para regenerar a acessibilidade aos rios”, diz Uhel.

Um grande projeto em Copenhague envolveu a criação de uma rede de áreas verdes que pode absorver a água das chuvas – resultado de um replanejamento devido a uma tempestade, em 2011, que causou grandes danos à infraestrutura da cidade e ameaçou risco de vida a várias pessoas.

Agora, essas áreas desviam a água da chuva, ajudam a limpar o ar e atuam como espaços conjuntos para a comunidade.

“Isso está esverdeando a cidade, deixando-a mais saudável e atrativa”, afirma Leonardsen.

Áreas verdes em cidades são uma tendência para reinventar a paisagem urbana

Ligação com a economia

Martin Powell, chefe de desenvolvimento urbano da empresa alemã Siemens no Reino Unido, salienta o quão isso é importante:

“Uma cidade verde é absolutamente essencial para atrair o capital humano que você quer ver trabalhando e vivendo no local”, diz.

Powell afirma que os municípios e a iniciativa privada podem “pegar carona” e colocar a infraestrutura verde para investimentos. Ele sugere que, quando grandes edifícios passam por uma renovação energética, podem incluir algumas características.

“Por que não integrar com um telhado verde um lugar permeável, no lado de fora, para ajudar no escoamento da água vinda da superfície, uma drenagem sustentável e outras infraestruturas verdes?”, sugere Powell.

Ferguson, prefeito de Bristol, finaliza dizendo que as cidades são, ao mesmo tempo, fontes de muitos problemas, mas também de muitas soluções.

“Se as cidades podem se tornar um laboratório de mudanças, os benefícios podem ser espalhados por toda a Europa. Uma cidade, sozinha, não vai mudar o mundo. Mas se compartilharmos ideias, e também os problemas, vamos compartilhar as respostas, e aí poderemos mudar o mundo”, conclui.

Fonte:       http://www.dw.com/pt/

São Paulo – Brasil – 21:09

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Alison e Bruno Schmidt são campeões mundiais de vôlei de praia

Alison e Bruno SchmidtAlison e Bruno Schmidt vencem Copa do Mundo de vôlei de praia(Reprodução/ Facebook/VEJA)

Os brasileiros Alison e Bruno Schmidt venceram os holandeses Reinder Nummerdor e Christiaan Varenhorst por 2 sets a 1 neste domingo, em Amsterdã, e sagraram-se campeões mundiais de vôlei de praia.

Donos da casa e apoiados por um público empolgado e barulhento, Nummerdor e Varenhorst ganharam o primeiro set com facilidade. Entretanto, os brasileiros reagiram na segunda etapa e levaram a partida para o tie-break. Na decisão, os holandeses chegaram a abrir três pontos de vantagem duas vezes, mas os visitantes conseguiram se recuperar.

Este é o segundo ouro em campeonatos mundiais da carreira de Alison, que em 2011 triunfou ao lado de Emanuel.

Na luta pelo bronze, Pedro Solberg e Evandro, também brasileiros, bateram os americanos Nicholas Lucena e Theodore Brunner por 2 a 0.

Com excelente campanha, o Brasil termina a competição com cinco das seis medalhas possíveis, já que o pódio feminino foi 100% nacional. Ágatha e Bárbara Seixas foram campeãs, com Taiana e Fernanda Berti em segundo lugar e Juliana e Maria Elisa em terceiro.

Fonte:    http://veja.abril.com.br/

São Paulo – Brasil – 22:59

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Futebol Alemão – Confirmado amistoso entre França e Alemanha

(foto getty images) 

A seleção campeã mundial vai fazer um jogo-teste contra a França no dia 13 de novembro de 2015 no Stade de France de St. Denis, arredores de Paris. Foi o que confirmou a Federação Francesa de Futebol. A última vez que as duas equipes se encontraram foi na Copa do Mundo do ano passado quando, pelas quartas de final, a Alemanha derrotou a França por 1 a 0. 

No segundo semestre, a “Mannschaft” vai ter compromissos difíceis pelas eliminatórias da Euro 2016. Em 4 de setembro, a seleção alemã jogará contra a Polônia, líder do grupo, em Frankfurt. Apenas três dias mais tarde, estará em Glasgow para enfrentar a seleção da Escócia. O objetivo dos alemães é vencer estas duas partidas para pavimentar a sua classificação direta para o torneio europeu de seleções a realizar-se na própria França no ano que vem.

Todas os jogos da Alemanha até o fim do ano:

4.9., Euro-Quali: Alemanha – Polônia em Frankfurt
7.9., Euro-Quali: Escócia – Alemanha em Glasgow
8.10., Euro-Quali: Irlanda – Alemanha em Dublin
11.10., Euro-Quali: Alemanha – Geórgia em Leipzig
13.11., França – Alemanha em St. Denis, Paris
17.11., Alemanha – Holanda em Hannover

Por Gerd Wenzel

Fonte:    http://www.bundesliga.com.br/

São Paulo – Brasil – 01:30

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.800 outros seguidores