O Milagre de Berna

Em 04 de julho de 2011, fez 57 anos que a Alemanha foi campeã mundial de futebol pela primeira vez.

Copa do Mundo FIFA de 1954  foi a quinta edição da Copa do Mundo FIFA de Futebol, que aconteceu de 16 de junho até 4 de julho. Em comemoração ao 50º aniversário da FIFA, o evento foi sediado na Suíça, onde encontra-se a sede do órgão; o país foi oficialmente selecionado como anfitrião em julho de 1946. Dezesseis seleções nacionais foram qualificadas para participar desta edição do campeonato, sendo 11 delas europeias: Suíça, Hungria, Áustria, Inglaterra, Alemanha Ocidental,Iugoslávia, França, Itália, Tchecoslováquia, Bélgica e Escócia, 3 americanas (México, Brasil e Uruguai) e 2 asiáticas (Turquia e Coreia do Sul).

Esta edição foi a que teve a maior média de gols de todas as copas, com 140 gols em 26 partidas, uma média de 5,38 gols por partida. Este recorde foi proporcionado principalmente pelos resultados do Grupo 2, que contava com Hungria, Alemanha Ocidental, Turquia e Coreia do Sul, tendo goleadas em todas as partidas (Alemanha Ocidental 4 x 1 Turquia; Hungria 9 x 0 Coreia do Sul; Hungria 8 x 3 Alemanha Ocidental; Turquia 7 x 0 Coreia do Sul; Alemanha 7 x 2 Turquia). Além disso, houve resultados como Uruguai 7 x 0 Escócia, Áustria 5 x 0 Tchecoslováquia, Alemanha 6 x 1 Áustria e Áustria 7 x 5 Suíça, esta última sendo a partida com o maior número de gols em todas as Copas.

A copa contou com grandes jogadores, como Fritz Walter, e Helmut Rahn da Alemanha Ocidental, Didi e Djalma Santos do Brasil, Obdulio Varela, capitão do Uruguai, Sándor Kocsis e Ferenc Puskás da Hungria, sendo este último considerado o melhor jogador da competição, um dos melhores da história do Real Madrid, e um dos melhores da história do futebol mundial.

A Copa do Mundo FIFA de 1954 teve como seleções finalistas a Hungria, que havia vencido o Uruguai (atual campeão do mundo) na semifinal e até então era invicta e, ao final do campeonato, marcara 27 gols em 5 jogos, média de 5,4 gols por partida, ainda não superada por nenhuma outra seleção; e a Alemanha Ocidental, que havia goleado a Áustria na semifinal e, ao final da Copa, marcara 25 gols em 5 jogos, média de 5 gols por partida. A final aconteceu em 4 de julho de 1954, às 17h, no Wankdorf Stadium, com um público de aproximadamente 60 mil pessoas. A partida, cujo árbitro era o inglês William Ling, inciou-se com a Hungria marcando 2 gols e terminou com a virada histórica da Alemanha, atingindo o placar de 3 x 2. Era o primeiro título que a Alemanha conseguiria e a Hungria não disputou mais finais de mundiais.

A Copa de 54 foi disputada na Suíça e foi a primeira em solo europeu depois da 2ª Guerra. A escolha da sede levou em conta justamente a neutralidade da Suíça durante o conflito. Apesar do sucesso do certame cabe uma crítica à fórmula da copa, bastante confusa. Cada grupo tinha dois cabeças de chave que não se enfrentavam, assim como as duas equipes restantes que não se enfrentavam. Assim ao invés de 3 jogos cada, no sistema todos contra todos, realizaram-se apenas 2 jogos por equipe. Os cabeças de chave foram os seguintes:

  • Grupo 1: Brasil e França
  • Grupo 2: Hungria e Turquia
  • Grupo 3: Áustria e Uruguai
  • Grupo 4: Inglaterra e Itália

Primeira fase

A Hungria, pelo Grupo B, aplicou na 1ª fase duas goleadas históricas,uma sobre a fraca Coreia do Sul por 9 a0 e a outra sobre nada mais, nada menos do que a Alemanha Ocidental, 8 a3. Turquia e Alemanha Ocidental então tiveram que jogar o desempate pois terminaram empatados em pontos. Apartida foi vencida pelos alemães com facilidade. O técnico Sepp Herberger colocou o time reserva em campo contra os húngaros, pois assim absorveria melhor uma mais que provável derrota e pouparia seus comandados.

Pelo Grupo A, o do Brasil, ocorreu um episódio bastante curioso. Brasil e Iugoslávia venceram seus primeiros compromissos (Brasil5 a0 contra México e Iugoslávia pela contagem simples sobre a França) e o empate garantia ambos na fase seguinte. Acontece que os jogadores do Brasil não conheciam o tal regulamento e atacavam insistentemente a meta iugoslava, com os jogadores eslavos fazendo gestos aos brasileiros pelo empate que beneficiaria os dois. Ao final do jogo alguns brasileiros choravam e apenas posteriormente a situação foi esclarecida. Tanto brasileiros como iugoslavos se classificaram à fase seguinte.

No grupo C, Áustria e Uruguai classificaram-se sem problemas. A Celeste Olímpica ganhou da Tchecoslováquia por 2 a0 e da Escócia por 7 a0.uma curiosidade é que ,insatisfeito com as intromissões da comissão técnica no seu trabalho, o técnico da Escócia Andy Beattie pediu demissão logo após a derrota para a Áustria. A Áustria também passou fácil com 1 a0 na Escócia e 5 a0 na Tchecoslováquia. No Grupo D, o English Team tentou se refazer do desastre de 50, sua estreiaem copas. Empatou em um jogo espetacular com a Bélgica por4 a 4 e ganhou da Suíça por2 a 0. Suíça e Itália duelariam duas vezes no grupo. Na primeira partida os helvéticos venceriam por2 a 1 num jogo muito conturbado e de uma arbitragem bastante controversa do brasileiro Mario Vianna. As equipes se enfrentariam novamente, e no jogo desempate a Suíça venceria por4 a 1.

Fase final

O Brasil foi a vítima magiar nas Quartas. Uma verdadeira batalha campal em Berna e Hungria venceu por4 a2. Áustria e Suíça fizeram o jogo com maior número de gols da história dos mundiais: Áustria 7 x 5 Suíça. A Alemanha Ocidental venceu a Iugoslávia por2 a0 e o Uruguai atropelou a Inglaterra por4 a2.

Numa das semifinais, tivemos a Áustria encarando a equipe da República Federal da Alemanha. O time da RFA se classificou batendo os alemães da região do Sarre, ocupado pela França, enquanto a Alemanha Oriental não se inscreveu para a Copa. Com a final em jogo, a equipe alemã bateu a austríaca por6 a 1. Destaque para os irmãos Fritz e Ottmar Walter, que, com passes rápidos, levaram sempre perigo ao gol austríaco.

Na outra semifinal, tivemos um dos mais interessantes jogos do torneio, onde a Hungria liderava sobre o Uruguai ao final do primeiro tempo por 1 a0. Mas ao final dos noventa minutos o placar apontava 2 a2, levando a partida a prorrogação. A igualdade foi quebrada por Sándor Kocsis, que marcaria dois gols no tempo extra e assim levaria a Hungria a final, derrotando um time que jamais havia perdido um jogo de Copa do Mundo. O Uruguai sofreria sua segunda derrota ao ceder o terceiro lugar aos austríacos por 1x 0.

Final: “O Milagre de Berna”

O Wankdorf Stadium em Berna viu 60.000 pessoas se espremerem para acompanhar a partida final entre Alemanha Ocidental e Hungria, uma repetição do jogo da primeira fase. Nesta fase, a Hungria venceu os reservas alemães por 8 a 3. O Time Dourado dos húngaros era o favorito, pois vinha de 32 partidas invicto, porém vinha de duas partidas duras. Começou a chover no dia do jogo – na Alemanha isso é chamado de “Fritz-Walter-Wetter” (tempo de Fritz Walter) pois dizia-se, o capitão da equipe alemã Fritz Walter,  jogava seu melhor futebol na chuva. Adi Dassler, proprietário da Adidas e fornecedor de material esportivo para a seleção alemã, forneceu chuteiras com cravos intercambiáveis, que melhor se adaptariam ao campo molhado.

Na final se viu Ferenc Puskás atuando mesmo não estando em sua melhor forma. Ainda assim, ele colocou seu time à frente do placar em apenas 6 minutos de jogo, e com Zoltán Czibor fazendo outro tento dois minutos depois parecia que os favoritos realmente levariam o título. Porém, com um rápido gol de Max Morlock no décimo minuto, e Helmut Rahn empatando aos19, a maré começou a virar.

No segundo tempo, a Hungria desperdiçou diversas chances. Mas, nervosos, não conseguiram nada. Os alemães praticamente “cozinharam” o jogo a seu favor, e acabariam premiados. A meros seis minutos do final da partida, o popular narrador do rádio alemão Herbert Zimmermann fez sua mais memorável declaração ao dizer: “Rahn deveria chutar do meio da rua” (em alemão: “aus dem Hintergrund müsste Rahn schießen”), e assim foi. O segundo gol de Rahn, que chutou da meia-lua da área, após a zaga húngara afastar mal a bola, deu a liderança da partida aos alemães. Depois, Puskás ainda teve um gol impedido.

Aos alemães foi entregue a Taça Jules Rimet e o título de vencedores da Copa do Mundo com a torcida cantando junto o hino nacional alemão. Na Alemanha, esta partida é conhecida como Milagre de Berna. Um filme baseado na história foi lançado em 2003. Para os húngaros, a derrota foi um desastre.

Os 11 gols marcados por Kocsis não apenas lhe garantiram a artilharia desta Copa, mas o tornaram o recordista como artilheiro em uma Copa, superando Ademir de Menezes, que havia marcado 9 tentos na Copa anterior. A marca de Kocsis viria a ser quebrada na Copa seguinte por Just Fontaine e seus 13 gols.

Adaptado de: http://pt.wikipedia.org

São Paulo – Brasil – 23:42

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Por Josy Galvão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: