Archive for outubro \30\UTC 2011

Conheça as maquiagens que também tratam a pele, lábios e cílios

Fique linda a curto e longo prazo: invista nas maquiagens que tratam!
Foto: Dreamstime

Não basta se maquiar, é preciso lutar contra o envelhecimento. A busca é pela beleza duradoura. As mulheres querem hoje produtos que proporcionem ao mesmo tempo –  porque não temos tempo a perder – a beleza imediata do make, mas com benefícios a longo prazo do tratamento. Com essa demanda crescente, diversas marcas de beleza têm produzido itens de maquiagem que também auxiliam nos cuidados com a pele, lábios e cílios.

Foto: Divulgação

La Prairie é um dos exemplos mais recentes. A marca suíça conhecida por criar cosméticos de tratamento, acaba de lançar uma linha completa de make que alia nutrientes essenciais para uma pele mais saudável. São ao todo quatro produtos: uma base anti-idade (Anti-aging Foundation SPF 15), corretivo à base de caviar (Skin Caviar Concealer + Foundation SPF 15), pó bronzeador (Bronzing Powder) e iluminador para olheiras (Light Fantastic Cellular Concealing).

A base (R$ 320*) é rica em um complexo celular que ajuda a estimular o processo de reparação natural da pele, hidratando e energizando com nutrientes que estimulam o bom funcionamento. O corretivo (R$ 676*) traz um complexo de caviar que ajuda a firmar e dar um toque sedoso à pele. O pó (R$ 190*) traz em sua formulação óleo de tubarão e de soja, que retexturizam a pele; pigmentos e nylon, que ajudam a disfarçar as linhas finas e ressecadas; e propriedades que protegem a pele contra os efeitos nocivos do sol. Por fim, o iluminador (R$ 244*) composto de derivados de vitamina C, minerais perolizados, silicone e difusores de luz, que preenchem as rugas e linhas; além do extrato de Castanha da Índia que diminui as olheiras.

Foto: Divulgação

Boca bem tratada

Aliados aos cuidados com a pele do rosto estão os itens direcionados à boca. Hoje, a maioria dos batons que surgem nas prateleiras já são ricos em vitamina E e filtros solares importantíssimos para a manutenção da vitalidade dessa região.

Mas como a produção de novidades não param, a Chanel criou o Lipbalm Soin Tendre Lèvres. Além de possuir as duas propriedades citadas acima, o produto traz ainda ceramidas, que hidratam as camadas superiores dos lábios; e manteiga de karité, ceras e óleos vegetais que restauram a maleabilidade dos lábios.

Olhos mais vivos

Os cílios também receberam atenção especial das marcas. A grega Korres, a americana Maybelline e a francesa Givenchy desenvolveram produtos que cuidam dos pelinhos, além de proporcionar efeitos de volume e extensão.

KORRES Máscara Alongadora Pró-Vitamina B5 e Arroz (R$ 52*) nutre, fortalece e alonga os cílios sem o aspecto colado; a KORRES Máscara de Volume Pró-Vitamina B5 e Candelila(R$ 52*) também nutre e fortalece os cílios, além de proporcionar mais volume por conta da cera de Candelila; a Maybelline The Falsies Volum’Express (R$ 28*)é enriquecida com Pró-Queratina que retém a hidratação, garante textura mais grossa e amacia as cutículas capilares dando luminosidade aos fios; já a Givenchy Mister Lash Booster (R$ 150*) possui extrato marinho que regenera os cílios, proporcionando maior resistência e maciez, e proteínas de soja que alisam a sua superfície.

Foto: Divulgação

E para acrescentar ao nécessaire a Dior lançou a sombra 5 Couleurs Lift (R$ 250*) com ação lifting. Com textura de pó-base e enriquecida com soro, ela diminui as rugas, levanta e revitaliza o contorno dos olhos.

Para completar os cuidados, não se esqueça da limpeza diária.

*Preços pesquisados em outubro/2011

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

JGalvão

Anúncios

O ranking das melhores cachaças do Brasil

 Clique na imagem para ver as informações

Degustar cachaça branca com cachaça envelhecida é a mesma coisa que misturar champanhe com vinho tinto.” Esta frase de Rodrigo Oliveira, chef e dono do restaurante paulistano Mocotó, foi decisiva para que nos limitássemos às cachaças brancas na degustação para escolher a melhor pinga do Brasil. Escolha acertada: se o envelhecimento em barril confere sabores e aromas, esses mesmos componentes disfarçam o caráter fundamental da cachaça, a cana-de-açúcar.

Um time de dez especialistas e cachaceiros amadores degustou uma seleção de 12 cachaças brancas, previamente escolhidas segundo três critérios: 1) fossem excelentes; 2) representassem diferentes regiões do Brasil; e 3) viessem de alambiques de diferentes estilos. Não que a madeira estivesse totalmente ausente das amostras provadas: para ser considerada envelhecida, a pinga deve ser guardada por pelo menos um ano em barris pequenos, de até 700 litros. Algumas das bebidas testadas tinham passagem por barricas maiores, geralmente de madeiras consideradas neutras, que não alteram muito as características de cor e aroma.

A degustação foi feita às cegas. Isso significa que ninguém sabia o que estava bebendo. Todo mundo deu suas notas sem ser influenciado pela imagem da marca ou por um rótulo criativo. Reunidos no Mocotó, os degustadores avaliaram os aspectos visuais, olfativos e gustativos de cada cachaça, além da sensação final que ela deixa na boca. Cada um desses critérios ganhou nota de 1 a 5. A soma de todos os pontos de todos os jurados determinou o ranking, e duas cachaças com as notas finais mais baixas foram eliminadas da lista. Houve alguns empates: na ficha de um mesmo bebedor, foi comum que mais de uma pinga tenha recebido a mesma pontuação e – ainda bem – não houve consenso sobre a bebida campeã.

Gostamos tanto que já marcamos um novo teste para o próximo semestre, desta vez só com cachaças envelhecidas.

O RANKING

1º lugar – 163 pontos
SERRA ALMA DAS PRATAS
40% de álcool
Rio de Contas, BA
A campeã da degustação é feita com cana-de-açúcar orgânica na Chapada Diamantina e é armazenada por um ano em dornas de inox. Foi a amostra mais pontuada de três jurados – Elcio Fonseca, Illan Oliveira e eu (veja a lista de todos os jurados ali abaixo).
R$ 28,50, em reidoswhiskys.com.br

2º lugar – 151 pontos
JOÃO MENDES PRATA
38% de álcool
Perdões, MG
Esta cachaça é armazenada por até três anos em barris de carvalho revestidos com parafina – o que impede a madeira de alterar a cor e o aroma. Ganhou a maior nota nas planilhas de Maurício Maia e Felipe Jannuzzi.
R$ 26,50, em www.salobracachacas.com.br

EMPATE no 3º lugar – 150 pontos
MATO DENTRO PREMIUM PRATA
42% de álcool
São Luís do Paraitinga, SP
Esta repousa por seis meses em amendoim – uma madeira neutra, que não tem nada a ver com o petisco. Dois jurados – eu e Leandro Batista – deram à Mato Dentro a maior nota da degustação.
R$ 25, em cachacamatodentro.com.br

FULÔ JEQUITIBÁ
38% de álcool
Nova Friburgo, RJ
Empatada na terceira posição, ela é bidestilada (o que suaviza alguns dos aromas típicos de cachaça) e descansada por três meses em tonéis de jequitibá. Foi a amostra favorita de Gabriela Monteleone. Também obteve a melhor pontuação na ficha de Maurício.
R$ 45,90, em paodeacucar.com.br

4º lugar – 147 pontos
ARMAZÉM VIEIRA NOSSA SENHORA DO DESTERRO
40% de álcool
Florianópolis, SC
Araribá e grápia são as madeiras utilizadas para fazer as dornas em que esta bebida é armazenada por seis anos. Como os tonéis são enormes – até 16 mil litros –, a transferência de cor e aromas é relativamente pequena.
R$ 58,77, em feiradacachaca.com.br

5º lugar – 141 pontos
SERRA LIMPA PRATA
45% de álcool
Duas Estradas, PB
Esta paraibana arretada é a mais forte de todas as cachaças degustadas. Também foi a primeira aguardente de cana a receber o selo orgânico no Brasil. Passa seis meses em tonéis de freijó antes do engarrafamento.
R$ 30,50, em www.salobracachacas.com.br

6º lugar – 140 pontos
LEBLON
40% de álcool
Patos de Minas, MG
Marca internacional, a Leblon é repousada em tonéis de carvalho de segundo uso – que passam menos aromas que os novos – e filtrada três vezes. Ganhou a melhor pontuação na ficha de Ricardo Lombardi.
R$ 58, em cachacaexpress.com.br

7º lugar – 139 pontos
JACUBA PRATA
40% de álcool
Coronel Xavier Chaves, MG
A Jacuba é uma branquinha sem nenhuma interferência de madeira: passa de seis meses a um ano em dornas de aço inox e, de lá, direto para a garrafa. Foi a pinga mais bem pontuada da ficha de Alceu Nunes.
R$ 21,99, em imigrantesbebidas.com.br

8º lugar – 136 pontos
MERCEDES PRATA
39% de álcool
Orizona, GO
Representante do estado de Goiás, a Mercedes também dispensa qualquer recipiente de madeira depois que sai do alambique. O triunvirato da VIP, Ricardo, Renato Krausz e Alceu, deu nota máxima para esta branquinha.
R$ 42, em www.salobracachacas.com.br

9º lugar – 132 pontos
TÁBUA FLOR DE PRATA
41% de álcool
Taiobeiras, MG
Produzida na região de Salinas (a mais famosa do Brasil), a Tabua passa um ano em tonéis de jequitibá. Ganhou o maior número de pontos na planilha de Renato.
R$ 11,99, em imigrantesbebidas.com.br

A favorita dela
A única mulher do nosso grupo de provadores, além de gata, entende tudo de bebidas. Gabriela Monteleone é a sommelier responsável pela seleção de vinhos dos restaurantes do chef Alex Atala. Das cachaças degustadas, ela gostou mais da Armazem Vieira. Não por coincidência, é a que passa mais tempo em barril – esse período suaviza a bebida. “Ela é mais macia, quase como um conhaque, bastante sedutora”, diz Gabi. Na opinião dela, mulheres tendem a gostar mais de cachaças mais “arrendondadas”. Caso a branquinha seja meio agressiva, um bom truque é servi-la gelada para a sua gata.

Os jurados
Alceu Nunes:
 diretor de Arte da VIP
Elcio Fonseca: jornalista e escritor
Felipe Jannuzzi: responsável pelo site Mapa da Cachaça
Gabriela Monteleone: sommelier dos restaurantes D.O.M. e Dalva e Dito
Illan Oliveira: dono da distribuidora de cachaças Solution
Leandro Batista: chefe de bar do restaurante Mocotó e especialista em cachaças
Marcos Nogueira: editor da VIP
Maurício Maia: responsável pelo blog O Cachacier
Renato Krausz: redator-chefe da VIP
Ricardo Lombardi: diretor de Redação da VIP

Ranking publicado por: http://vip.abril.com.br

JGalvão

Vettel faz passeio no primeiro GP da Índia

Foi um verdadeiro passeio. O primeiro GP da Índia da história da Fórmula 1 terminou com a vitória de um personagem muito conhecido dos pódios nesta temporada: Sebastian Vettel, que chegou ao 11º triunfo em 2011 de ponta a ponta. Pole position, o alemão da RBR dominou a corrida desde a largada, liderou todas as voltas da prova e não foi sequer ameaçado pelos rivais neste domingo em Nova Déli. Bicampeão por antecipação, ele chegou a incríveis 374 pontos no campeonato. A meta agora do piloto de 24 anos é igualar o recorde de 13 vitórias em um ano, de Michael Schumacher, em 2004. Faltam apenas duas para a marca histórica e dois GPs para o fim do campeonato.

Como se não bastasse, foi a primeira corrida perfeita (chamada de Grand Chelem nas estatísticas) de Vettel em sua carreira. Ele fez a pole, a melhor volta, venceu e liderou todas as voltas da corrida no Buddh International Circuit. Já na briga pelo vice-campeonato, Button chegou na segunda posição na corrida e chegou aos 240 pontos. Ele ampliou a vantagem para Fernando Alonso, terceiro colocado na Índia para 13 pontos a apenas duas corridas do fim da temporada. Quarto colocado no GP, Webber chegou aos 221 e tem poucas chances de brigar pela posição no Mundial de Pilotos. Os carros voltam à pista no GP de Abu Dhabi, no circuito da Yas Marina, penúltima etapa da temporada 2011, em 13 de novembro.

vettel rbr gp da índia (Foto: Agência Reuters)Alemão Sebastian Vettel comemora a vitória no primeiro GP da Índia, em Nova Déli (Crédito: Reuters)

Felipe Massa fazia uma boa corrida, mas foi protagonista de mais um capítulo dos entreveros com Lewis Hamilton. Eles disputavam a quinta posição na 24ª volta, quando se tocaram na Curva 5. O inglês da McLaren, que chegou em sétimo, teve a asa dianteira danificada e o brasileiro da Ferrari acabou punido com um drive through (passagem pelos boxes). Só que, na 34ª, o brasileiro acertou uma “tartaruga”, obstáculo colocado após a zebra, e teve a suspensão dianteira esquerda quebrada, em um incidente parecido com o do treino classificatório. Ele abandonou a prova.

Após uma boa largada, quando ganhou quatro posições, Bruno Senna, da Renault-Lotus, fez uma corrida segura, mesmo com problemas no Sistema de Recuperação de Energia Cinética (Kers). O brasileiro chegou na 12ª posição após ter de fazer um pit stop tardio para colocar os pneus duros. Após um problema na largada, Rubens Barrichello, da Williams, chegou em 15º, uma volta atrás.

A corrida

Com 31ºC, sol e nenhum sinal de chuva, os carros se encaminharam para o grid. Petrov chegou a ter um problema na volta de saída dos boxes, mas conseguiu alinhar com tranquilidade. Na largada, Vettel manteve a ponta com folga. Webber se manteve em segundo, mas acabou superado por Button, que largou do lado limpo. Massa passou Hamilton e assumiu a quinta posição na corrida.
Atrás, Bruno Senna fez uma ótima largada e subiu para a décima posição. O lado ruim ficou com Barrichello, que perdeu o ponto de freada, tocou na roda traseira do companheiro Maldonado e perdeu a asa dianteira. Envolcidos na confusão, Kamui Kobayashi teve problemas e abandonou ainda na primeira volta e Jarno Trulli precisou trocar o pneu traseiro direito.

Tranquilo na ponta, Vettel já tinha uma vantagem acima dos dois segundos no momento da liberação do acionamento da asa móvel (DRS). Button, por sua vez, tinha de lidar com a pressão de Webber, que tentava recuperar a posição. O australiano tentou seu primeiro ataque na quinta volta, mas o inglês não permitiu a ultrapassagem.

Na décima posição, Bruno Senna era pressionado pelos carros da STR. Alguersuari usou o DRS e conseguiu a ultrapassagem na nona volta. Na seguinte, foi a vez do companheiro Buemi. Com problemas no Kers, o brasileiro caiu para a 12ª posição e começou a ser pressionado por Pastor Maldonado. Mas o venezuelano teve problemas de câmbio e abandonou na 14ª passagem.
A primeira rodada de pit stops começou na 17ª, quando Webber, Alonso e Hamilton entraram nos boxes. Massa veio na seguinte e, por pouco, quase superou o companheiro espanhol no retorno à pista. Os pneus se adaptaram bem ao carro do brasileiro e ele fez a melhor volta da corrida na sequência. Ele começou a tirar a vantagem do bicampeão espanhol na sequência.
Button entrou nos boxes na 19ª, no que foi seguido por Vettel na 20ª. O alemão, com um excelente trabalho da RBR nos boxes, se manteve na ponta com muita tranquilidade, com uma vantagem acima dos três segundos. Em terceiro, Webber já estava quase dez segundos atrás do companheiro de equipe, seguido de perto por Alonso.

Após série de polêmicas, Massa e Hamilton voltam a se envolver em incidente

Na frente, Vettel vinha bastante rápido, fazendo voltas mais rápidas em sequência. Ele ampliou a vantagem para Button para acima dos cinco segundos. Mais atrás, Massa cometeu um erro na primeira curva e permitiu a aproximação de Hamilton. Na 24ª volta, os dois se tocaram na Curva 5. O brasileiro saiu da pista e o inglês teve sua asa dianteira danificada. Após avaliarem o incidente, os comissários do GP da Índia resolveram aplicar um drive through no piloto da Ferrari na 30ª.

Duas voltas depois, o brasileiro entrou nos boxes para trocar o bico e colocar pneus duros, para tentar ir até o fim da corrida. Mas na 34ª, Massa acertou uma “tartaruga” após a zebra e teve a suspensão dianteira esquerda quebrada. Ele abandonou a prova e voltou para os boxes com cara de poucos amigos. Ele sequer quis dar a tradicional entrevista na chegada ao paddock.

A última rodada de pit stops começou na 40ª volta. O grande vencedor neste momento da prova foi Alonso, que ganhou a terceira posição de Webber no retorno à pista. O australiano ainda tentou a ultrapassagem sobre o rival, mas acabou perdendo rendimento com os pneus duros. Na frente, Button parou na 47ª, seguido por Vettel na volta seguinte. As posições permaneceram inalteradas.

A partir daí, Vettel apenas administrou a vantagem, que já estava acima dos sete segundos. O alemão da RBR ainda se deu ao luxo de tirar a melhor volta de Webber na última volta da corrida. Button chegou em segundo, quase oito segundos atrás. Alonso, pressionado por Webber na fase decisiva da prova, segurou a terceira posição nas últimas curvas.

Confira o resultado final do GP da Índia, em Nova Déli:

1 – Sebastian Vettel (ALE/RBR-Renault) – 60 voltas em 1h30m35s002
2 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – a 8s433
3 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – a 24s301
4 – Mark Webber (AUS/RBR-Renault) – a 25s529
5 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a 1m05s421
6 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a 1m06s851
7 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – a 1m24s183
8 – Jaime Alguersuari (ESP/STR-Ferrari) – a 1 volta
9 – Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) – a 1 volta
10 – Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
11 – Vitaly Petrov (RUS/Renault-Lotus) – a 1 volta
12 – Bruno Senna (BRA/Renault-Lotus) – a 1 volta
13 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – a 1 volta
14 – Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Renault) – a 2 voltas
15 – Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth) – a 2 voltas
16 – Jerome D’Ambrosio (BEL/MVR-Cosworth) – a 2 voltas
17 – Narain Karthikeyan (IND/Hispania-Cosworth) – a 3 voltas
18 – Daniel Ricciardo (AUS/Hispania-Cosworth) – a 3 voltas
19 – Jarno Trulli (ITA/Lotus-Renault) – a 4 voltas

Não completaram:

Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a 27 voltas/suspensão
Sebastien Buemi (SUI/STR-Ferrari) – a 35 voltas/motor
Pastor Maldonado (VEN/Williams-Cosworth) – a 47 voltas/câmbio
Timo Glock (ALE/MVR-Cosworth) – a 57 voltas/acidente
Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – a 59 voltas/acidente

Fonte: http://globoesporte.globo.com

JGalvão

 

Os tumultos causados pelos rebeldes sem causa da USP

O retrocesso da USP, onde os manifestantes parecem decididos a continuar estacionados em 1968, contrasta com as mudanças na UNB

Estudantes da USP ocupam prédio da FFLCH após conflito com policiais – Rahel Patrasso/Frame/Folhapress

“Os policiais não são trabaliadores, são o braço armado$ dos exploradores”. A foto do cartaz com erros de português – ao lado de rapazes com o tronco à mostra e os rostos cobertos por camisetas – poderia ter sido tirada em alguma rebelião da Febem. Não foi. Quem aparece nas imagens são estudantes da Universidade de São Paulo (USP), uma das 100 melhores instituições de ensino superior do mundo.

As cenas de fúria do bando de jovens se atracando com policiais militares e os gritos de “fora a imprensa golpista” berrados da janela do prédio transformado em bunker da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), poderiam ter sido pinçadas de um documentário sobre as manifestações estudantis contra a ditadura militar. Não foram – embora os manifestantes pareçam decididos a acreditar que continuam estacionados em 1968. Ao mesmo tempo em que o retrocesso pairava sobre a USP, a Universidade de Brasília (UnB) dava um exemplo de evolução. Nesta quinta-feira, a Aliança pela Liberdade, única chapa que não era composta por militantes profissionais, alimentados com recursos de partidos políticos, venceu a eleição para o Diretório Central dos Estudantes (DCE). As propostas da nova diretoria passam longe da reforma agrária, da destruição do capitalismo global ou da defesa de Fidel Castro. Suas bandeiras são o aumento da segurança, o incentivo a parcerias com fundações privadas e a melhoria na gestão da burocrática instituição de ensino.

São Paulo – “É lamentável que as reivindicações estudantis na FFLCH estejam limitadas ao interesse político de uma minoria”, observa o historiador Marco Antônio Villa. “Não existe uma luta para uma biblioteca melhor, para uma política de estágios eficiente ou até para ampliar o acesso da população à educação pública de qualidade”. Villa lembra que a USP não é um território à parte e, portanto, deve subordinar-se à Constituição – que proíbe o consumo de drogas. “A ditadura acabou em 1985”, enfatiza o historiador. “Naquela época, o que levava os estudantes a serem contra a presença da polícia não existe mais. Nos últimos anos, a USP passou por sérios incidentes envolvendo assaltos e mortes. Não há um motivo coerente para se opor a mais segurança”.

O sociólogo Demétrio Magnoli evoca outro tópico das reivindicações: a exigência de eleições diretas para a reitoria da Universidade. “Nas décadas de 1960 e 1970 isso fazia sentido porque havia a necessidade de preservar a instituição de ensino como um território da liberdade de expressão”, afirma Magnoli. “Hoje não faz. A universidade é um patrimônio de toda a nação e, por isso, o representante dessa instituição pode ser escolhido por quem essa sociedade livre elegeu para representa-la”. O sociólogo estende o raciocínio à polêmica presença de policiais militares no campus. “Numa ditadura, é correto querer manter a polícia longe, porque ela é o braço armado de um governo ilegítimo”, diz. “Qual o argumento para fazer o mesmo em uma democracia?”.

Depois de ponderar que qualquer forma de violência, tanto policial, quanto estudantil, deve ser punida de acordo com a lei, o antropólogo Paulo Roberto Storani, ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) do Rio de Janeiro, lamenta: “Nunca a juventude esteve tão silenciosa”. Para Storani, é inquietante que, no momento em que decidem falar, alguns estudantes o façam para pedir a liberação do uso de uma droga. “Se quiserem lutar pela legalização da maconha, ótimo, mas que o façam pelos meios legais”, diz. “A corrupção foi institucionalizada e eles permanecem calados a esse respeito. Fazendo uma comparação superficial entre a direita e a esquerda no poder, fato que vivenciamos nas últimas décadas, fica evidente que a esquerda é muito mais capaz. Ela conseguiu silenciar os movimentos sociais com dinheiro e cargos públicos. A direita tentou isso com bombas e repressão e jamais conseguiu”.

O tumulto – O tumulto na USP depois que três estudantes que fumavam maconha perto da faculdade de História da USP foram abordados por policiais militares no início da noite desta quinta-feira – desde o assassinato do aluno Felipe Ramos de Paiva, em setembro deste ano, o Conselho Gestor da Universidade firmou um convênio com a PM que permite a entrada da polícia no campus. Quando os policiais ameaçaram conduzir os alunos para a delegacia, colegas dos detidos tentaram impedir que eles entrassem na viatura. Então teve início a baderna.

O balanço da pancadaria: três PMs feridos, dois dos quais atingidos por pedras, e seis viaturas depredadas. A polícia usou cassetetes, gás lacrimogêneo e spray de pimenta para dispersar os manifestantes. Testemunhas garantem que os alunos pilhados com entorpecentes não ofereceram resistência. Os policiais confirmam. “A polícia só disparou gás depois que os estudantes jogaram um cavalete no carro da PM”, afirmou o tenente José Ricardo Caresi. “Os alunos detidos toparam sair do campus com a PM, mas os colegas não deixaram”. Os três alunos acabaram levados para o 91º DP, na Vila Leopoldina, no carro da diretora da Faculdade de História, Sandra Nitrine, que tentou insistentemente evitar o tumulto. “O pessoal foi para cima da PM”, atestou um aluno de História.

Depois da saída dos policiais, cerca de 300 estudantes organizaram um protesto em que exigiram a renúncia do reitor Grandino Rodas, a retirada da PM do campus e a dissolução do Diretório Central dos Estudantes, acusado de conivência com a polícia. Até a noite desta sexta-feira, os alunos permaneciam acampados no prédio da administração da FFLCH.

Em nota, a reitoria da USP lamentou “os incidentes ocorridos no dia 27 de outubro”. Também garantiu que os fatos serão analisados pelo Conselho Gestor, “para a apresentação de propostas para o equacionamento da situação, e que serão divulgadas em data oportuna”. É cedo saber se prevalecerão os gritos que clamam pelo cumprimento da lei.

Fonte: http://veja.abril.com.br

JGalvão

Em crise? “É loucura”, resume Messi

Autor de três gols na vitória por 5 a 0 do Barcelona sobre o Mallorca, o atacante Lionel Messi calou seus críticos. Acredite, eles existem. Ao longo da semana, o argentino foi alvo de rumores sobre uma possível crise em sua carreira, diante de um jejum de gols que durou três partidas. Isso, três partidas.

“É uma loucura afirmarem que depois de três partidas sem marcar eu estava em crise. Não ligo para isso. Quando posso, marco, e quando não posso, o importante é que a equipe ganhe e continue jogando desta forma”, disse Messi.

Satisfeito com o rendimento do time jogando diante do seu torcedor, no Camp Nou, Messi analisou a partida e deixou claro que pretende ver seu time goleando ao longo do Campeonato Espanhol. “A equipe jogou bem outra vez. Conseguimos os gols de forma rápida e no primeiro tempo a partida já estava quase definida ao nosso favor. Temos que manter esse rendimento na sequência da temporada”, encerrou o atacante.

A arrasadora vitória também teve um gosto especial para Dani Alves, do Barcelona. Destaque da partida ao dar uma assistência e anotar um golaço, o brasileiro comemorou seu desempenho em campo e o seu primeiro tento nesta temporada.

No duelo, disputado no Camp Nou, Daniel Alves acertou um belo cruzamento para um dos três gols marcados pelo argentino Lionel Messi. Além disso, já no final da partida, o brasileiro arriscou de longe e acertou uma bomba no ângulo. “Estava no fim do jogo. Não tinha muito tempo. Preferi arriscar e acertei no ângulo. Foi um bonito gol. Estávamos precisando fazer um jogo como este para afastar algumas críticas. O time todo foi muito bem neste jogo”, disse o lateral.

Ao longo desta temporada, Alves ainda não havia marcado. Neste Campeonato Espanhol, o lateral atuou em nove jogos e anota, com esta última, duas assistências diretas a gol. “Não é muito minha característica. Sou mais de cruzar e fazer o passe. Mas é sempre bom marcar gols. Espero fazer mais alguns”, encerrou.

Fonte: http://pt.fifa.com

JGalvão

#Eurocopa2012 – ‘Não esperem milagres da França na Euro 2012’, diz Blanc

laurent blanc, técnico da frança (Foto: AP)Blanc, técnico da França, teme pela classificação da equipe para a segunda fase da Euro 2012 (Foto: AP)

A França qualificou-se para a Eurocopa 2012, garantido o primeiro lugar do Grupo D e perdeu apenas um jogo nos últimos 10 que realizou. Apesar do bom momento da seleção, Laurent Blanc não quer euforias. O técnico declarou nesta sexta-feira que a seleção francesa “não pode fazer milagres” na competição que será disputada na Polônia e Ucrânia, explicando que a equipe precisa de tempo para formar um grande time para o futuro.

– Em 15 meses, as pessoas querem que nós tenhamos um grande time e joguemos como Holanda, Espanha ou Alemanha. Isso é impossível – afirmou o técnico.

Depois de se referir à reconstrução do time que sequer passou da primeira fase na Copa do Mundo de 2010, Blanc, que assumiu o cargo logo após a competição, afirmou temer pela classificação da equipe para a segunda fase da Eurocopa, afinal a França pode ter uma vida difícil no torneio. Em 12º no ranking da Fifa, o time pode estar no pote quatro e cair em um grupo com outros dois times fortes, como Alemanha e Espanha.

– Nós dissemos, e dizemos de novo, que isso leva tempo. Você não compra qualidade de jogo, ou um time, no supermarcado. Se tivermos Alemanha e Espanha no grupo, será muito difícil se classificar à segunda fase. As pessoas podem fantasiar, mas eu estou falando a verdade – finalizou Blanc.

Fonte: http://globoesporte.globo.com

JGalvão

 

#CampeonatoEspanhol – Real Madrid é o novo líder do campeonato

O Levante perdeu uma ótima oportunidade de desbancar os gigantes Real Madrid e Barcelona e reassumir a liderança do Campeonato Espanhol. Neste domingo, jogando fora de casa, a equipe azul-grená foi derrotada pelo Osasuna por 2 a 0 e viu as chances de subir para a ponta irem por água abaixo. Os gols do triunfo dos rivais foram marcados por Cejudo e Nino, ambos na etapa inicial.

 

jogadores osasuna gol levante (Foto: Agência AP)Jogadores do Osasuna comemoram o primeiro gol no triunfo sobre o Levante (Foto: Agência AP)

Na etapa final, Cejudo ainda foi expulso após receber o segundo cartão amarelo. Com o resultado, o Levante permaneceu na terceira colocação na tabela de classificação, com 23 pontos, dois a menos do que o líder Real Madrid e um do Barcelona. O Osasuna, por sua vez, subiu para a sétima colocação, com 14.

Na próxima rodada do Espanhol, o Levante vai encarar o Valencia, em casa. O Real Madrid pega o Osasuna, no Santiago Bernabéu, e o Barcelona viaja para enfrentar o Athletic Bilbao, em San Mamés.

Confira os resultados da 11ª rodada do Campeonato Espanhol:

Sábado
Valencia 3 x 1 Getafe
Villarreal 2 x 0 Rayo Vallecano
Barcelona 5 x 0 Mallorca
Real Sociedad 0 x 1 Real Madrid

Domingo
Sporting Gijón 1 x 1 Athletic Bilbao
Osasuna 2 x 0 Levante
Racing Santander 1 x 0 Bétis
Atlético de Madri 3 x 0 Zaragoza
Málaga x Espanyol

Segunda
Sevilla x Granada

Fonte: http://globoesporte.globo.com

JGalvão