Archive for junho \30\UTC 2014

Em Munique, alemães extravasam após vitória suada

torcida da Alemanha jogo Copa em Munique (Foto: Cassio Barco)Semblante tenso na grande maioria dos torcedores que assistiam ao jogo num bar em Munique (Foto: Cassio Barco)

Os alemães não estavam brincando quando diziam que temiam a Argélia, mesmo entrando em campo em Porto Alegre como grandes favoritos às quartas de final da Copa do Mundo. Em Munique, atual capital do futebol alemão e casa de craques como Neuer, Lahm, Schweinsteiger e Thomas Müller, era possível sentir um clima de tensão atípico antes mesmo de a bola rolar. Mas depois de muitas unhas roídas e olhares perdidos no horizonte, os fanáticos puderam comemorar extravasar como só eles sabem.

Foi uma experiência diferente para os germânicos, que estão acostumados a gritar e cantar o tempo inteiro. A boa campanha na primeira fase e a expectativa pela classificação geraram maior responsabilidade, consequentemente mais ansiedade e nervosismo para os que estavam em seu país natal. Longe do Brasil, não podiam dar seu incentivo ao time como queriam.

Ao contrário dos cantos, os locais onde os alemães costumam se reunir na cidade foram tomados pelo silêncio durante os primeiros 90 minutos. Principalmente nos primeiros 45, quando a equipe não fazia boa partida e era bastante criticado. O grande alvo foi Joaquim Löw. Assim como no Brasil, todo alemão tem um lado treinador, e a maioria não aprovava a escalação do treinador. O principal pedido era por Klose – maior artilheiro da história das Copas, ao lado de Ronaldo Fenômeno, com 15 gols – no time titular.

Mas outro jogador entrou em campo e resolveu o jogo. Schürrle foi o responsável por tirar o nó da garganta da torcida e fazer o gol que abriu o caminho para vitória por 2 a 1, mas isso apenas no segundo tempo da prorrogação. Depois do gol, os alemães quase voltaram ao seu lugar natural, mas não totalmente. O grito saiu, só que não foi o de sempre. Nem mesmo depois do gol de özil ou do apito final do juiz. Eles são pragmáticos e pensam na frente. A França vem aí, e, por mais fanáticos que sejam, eles sabem que a seleção precisa melhorar para conseguir chegar à semifinal e pegar o vencedor do duelo entre Brasil e Colômbia.

torcida da Alemanha jogo Copa em Munique (Foto: Cassio Barco)Em momento de loucura, alemão escolhe um carro no meio da rua para escalar (Foto: Cassio Barco)

– Este jogo foi terrível. Vamos chegar na final, estou confiante que podemos vencer os franceses, mas precisaremos ser o mesmo time que fomos contra Portugal – disse um torcedor, referindo-se à goleada por 4 a 0 na estreia no Mundial para depois seguir desfilando pela rua com seu carro temático: nele, a bandeira da Alemanha e os dizeres “Táxi para o Rio”, uma alusão à decisão da Copa que será realizada no Maracanã.

Somente alguns minutos depois da classificação foi que os alemães conseguiram mostrar quem realmente são. Depois de tomar fôlego para finalmente respirar aliviado, Holger “Holle” Britzius, um torcedor famoso de Munique, normalmente o mais exaltado durante os jogos, subiu num carro aleatório na rua. Como se a atitude fosse o ato mais normal do Mundo, ele puxou a comemoração. Depois de 120 minutos de tensão, os germânicos finalmente puderam extravasar. A festa finalmente começou com o tradicional “Humba” e se estendeu pelas ruas da cidade, como se não fosse segunda-feira.

torcida da Alemanha jogo Copa em Munique (Foto: Cassio Barco)Vou de táxi para o Rio de Janeiro: alemão tem transporte para a final da Copa, no Maracanã (Foto: Cassio Barco)

Fonte: http://globoesporte.globo.com/

São Paulo – Brasil – 23:57

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Anúncios

Brasil 2014 – Se não melhorar, a Alemanha cairá contra a França, alerta Matthäus

Matthaus  (Foto: Reprodução SporTV)Lothar Matthäus afirma que a Alemanha precisa melhorar para bater a França (Foto: Reprodução SporTV)

Campeão mundial com a Alemanha em 1990, Lothar Matthäus afirmou que a seleção de seu país precisa melhorar para alcançar seu quarto título mundial no Brasil. Após a vitória por 2 a 1 sobre a Argélia, que classificou os germânicos para as quartas de final, o ex-capitão declarou que, se não evoluir, a equipe de Joachim Löw pode ser eliminada contra a França, na sexta-feira, no Maracanã.

– Eu fiquei surpreso com a Argélia, que perdeu muitas chances claras no primeiro tempo. Já vimos algumas zebras dando muito trabalho na Copa. Eles atacavam bem, tinham velocidade. Mas alguns jogadores da Alemanha não estavam tão presentes quanto a gente espera deles, estavam lentos. A Alemanha melhorou com a entrada de Schürrle, teve outro ponto de vista. O ataque teve mais rapidez e profundidade. A Alemanha criou chances avançando pelas laterais. Analisando os 120 minutos, realmente a melhor equipe venceu. Só que ainda precisa melhorar para chegar à grande meta. A Alemanha quer vencer a Copa, como todas as outras equipes. Mas, se jogar nesse nível contra a França, certamente vai perder – disse Matthäus.

O ex-jogador afirmou, no entanto, que várias seleções favoritas tiveram problemas para conseguir suas vagas nas quartas de final. Além da Alemanha, o Brasil também não venceu no tempo normal. Holanda e França só conseguiram balançar as redes nos minutos finais do segundo tempo.

– Claro que foi um jogo difícil, mas, mesmo assim, depois de 120 minutos tiveram uma vitória merecida. Outras equipes também tiveram problemas, mesmo os franceses no primeiro tempo contra a Nigéria. O Brasil contra o Chile, a Holanda contra o México, todos os favoritos têm seus problemas, mas avançaram no fim das contas. A seleção alemã tem que ser 100% melhor que contra a Argélia. Jogaram mal no primeiro tempo, muito mal. Mas eu estava tranquilo, estava convicto de que esta equipe avançaria. No fim das contas, ganhou merecidamente. No segundo tempo e na prorrogação, eles mostraram do que são capazes. Poderiam ter feito os gols antes, mas o que importa é o resultado final.

A Alemanha encara a França no Maracanã na sexta-feira, às 13h (de Brasília). O vencedor deste duelo terá pela frente, na semifinal, o ganhador do confronto entre Brasil e Colômbia, que jogam no mesmo dia, em Fortaleza, às 17h.

Fonte: http://sportv.globo.com/

São Paulo – Brasil – 23:44

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Brasil 2014 – Gol e consagração para Pogba

Gol e consagração para Pogba
© Getty Images

Quase todo garoto, seja de onde for, já sonhou alguma vez na vida em ser o protagonista de um jogo decisivo de uma Copa do Mundo da FIFA. Nesta segunda-feira, em Brasília, o francês Paul Pogba transformou o sonho em realidade no duelo contra a Nigéria pelas oitavas de final.

O candidato ao Prêmio Jogador Jovem Hyundai teve atuação destacada na vitória dosBleus, não apenas em sua função de ligar o meio de campo ao ataque, mas também ao marcar o gol que venceu a ferrenha resistência africana e abriu caminho para o triunfo por 2 a 0.

No final, é claro, o camisa 19 da França ganhou todos os aplausos. Além disso, foi eleito o Craque do Jogo Budweiser pela primeira vez no Mundial, o que sem dúvida também encheu de orgulho o jogador de 21 anos.

Mas Pogba não foi o único jovem a brilhar na partida. Seu companheiro Raphael Varane foi novamente uma muralha na defesa francesa, afastando os perigosos ataques nigerianos seguidamente e, inclusive, colocando em risco sua integridade física ao receber uma bolada que o deixou aturdido por alguns segundos dentro do gol. O zagueiro do Real Madrid provou que continua a manter um nível invejável.

Do lado da Nigéria, o também candidato Kenneth Omeruo não fez feio. Como durante todo o torneio, o lateral disputou os 90 minutos da partida e demonstrou solidez tanto no ataque como na defesa, embora não tenha podido evitar a derrota de sua equipe.

No outro confronto deste penúltimo dia das oitavas, disputado em Porto Alegre, havia expectativa pela participação de três pretendentes ao prêmio de Jogador Jovem Hyundai, mas nem os alemães Julian Draxler e Matthias Ginter, nem o argelino Nabil Bentaleb chegaram a pisar em campo.

Fonte: http://pt.fifa.com/

São Paulo – Brasil – 23:35

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

 

Brasil 2014 – Joachim Löw analisa vitória sobre a Argélia

Joachim Löw analisa vitória sobre a Argélia

Depois de uma sofrida classificação para as quartas de final, a Alemanha venceu a Argélia por 2 a 1 na prorrogação, e o técnico Joachim Löw afirmou que a postura do seu time em campo não foi das melhores, e frisou que objetivo era tentar fazer um bom placar no segundo tempo, para de fato evitar o tempo extra.

”Tivemos muitas dificuldades no primeiro tempo para nos organizarmos. Muita perda de bola, cometemos erros simples que acabou convidando o adversário a contra-atacar. Lançamentos foram um problema, que acabaram avançando os atacantes do adversário, que são muito rápidos. Não é que tenhamos jogado mal. No segundo tempo tivemos de seis a oito oportunidades, mas não soubemos aproveitar. Vitória da força de vontade, vimos isso em ambos os lados. Depois do tempo regulamentar estavam todos cansados, mas estávamos numa condição física melhor. Deveríamos ter decidido a partida no segundo tempo”, declarou.

Questionado sobre a resistência do adversário, o treinador afirmou que Argélia estava bem preparada e que a partida não foi fácil.

“A Argélia foi uma equipe de combate. Eles estavam muito motivados e dedicados. Eles jogaram bem antes e possuem vários jogadores que defendem e atacam, por isso foi difícil”, afirmou.

Löw ainda ressaltou que não espera mais partidas fáceis pelo Mundial, e fez questão de usar o Brasil como exemplo, já que o a seleção canarinho precisou ir para os pênaltis para bater o Chile.

”Deveria estar triste ou desapontado por passar às oitavas? Não jogamos bem, é verdade. Mas partidas desse tipo sempre vão existir na Copa. Vimos, por exemplo, que o Brasil teve que ir até o último pênalti para se classificar. Nas oitavas, estão todos motivados e são excelentes seleções. O importante é classificar”, finalizou.

Fonte: http://www.goal.com

São Paulo – Brasil – 23:31

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Brasil 2014 – Vitória na força e no fim, como pede a tradição para a Mannschaft

Foi sofrido, suado e cheio de sustos, mas, no fim – e como pede a tradição –, foi mesmo a Alemanha que saiu vencedora. Contra uma Argélia que teve outra grande atuação no Brasil, a Mannschaft superou um início complicado, acelerou na prorrogação e garantiu a apertada vitória por 2 a 1 para manter seu grande aproveitamento em oitavas de final: agora são oito vitórias seguidas nesta fase, desde 1986, um número que apenas comprova a força da tricampeã mundial.

Com mais físico nos minutos finais do jogo e do tempo extra, quando definiu o triunfo, a Alemanha passou às quartas, mas seu favoritismo será menos evidente contra uma embalada França, no Maracanã. Para a Argélia, que chegou até a sonhar em reviver a heroica vitória de 1982, a derrota no fim acabou sendo dura demais, algo que, por outro lado, não tirou o brilho de sua melhor campanha em Mundiais.

No Beira-Rio, o jogo envolvia duas seleções com históricos opostos. O que se viu, porém, foi um duelo bem mais equilibrado do que muitos esperavam, com a Alemanha até dominando o meio de campo no início, mas sofrendo com os rápidos contra-ataques argelinos. E a oposição de táticas acabou favorecendo os africanos no primeiro tempo. Nos 15 minutos iniciais, por exemplo, os comandados de Vahid Halilhodzic chegaram com perigo em ao menos quatro oportunidades: com Feghouli, Ghoulam e, sobretudo, Slimani, que até marcou, mas em posição de impedimento.

Com a defesa enfrentando dificuldades – e com Neuer se tornando quase um líbero do time e saindo diversas vezes da área para cortar lançamentos –, a Alemanha demorou para reagir e só foi aparecer a partir dos 35 minutos, primeiro em cabeçada de Thomas Müller e depois em belo chute de Kroos e no rebote de Götze, que o goleirão Mbolhi, Craque do Jogo Budweiser, defendeu com coragem.

A surpreendente atuação da Argélia na etapa fez com que Joachim Löw voltasse ao segundo tempo com mudanças. Schürrle entrou no lugar do apagado Götze e deu mais velocidade ao time, criando duas chances perigosas em suas primeiras arrancadas. Com o avanço dos alemães, os argelinos voltaram a se fechar, mas ainda assustavam em contra-ataques – obrigando Neuer a boas defesas e outras saídas arrojadas.

Mas a garra argelina esbarraria no físico alemão e não impediria que os últimos minutos do tempo regulamentar fossem dos europeus: Müller, até então isolado no ataque, apareceu em duas jogadas seguidas antes do fim do tempo regulamentar, cruzando para cabeçada de Schweinsteiger, e depois saltando sozinho, com estilo, mas parando em um inspirado Mbolhi.

E apareceria também logo no comecinho da prorrogação, desta vez para ser decisivo: em boa jogada pela esquerda, ele cruzou para Schürrle completar com estilo, de calcanhar, e vencer Mbolhi pela primeira vez. Pouco depois, Özil marcaria o segundo, mas a Alemanha ainda veria os argelinos reagirem e marcarem o de honra, com Djabou. Já era tarde, porém. Como manda a tradição, no fim foi mesmo a Alemanha quem se saiu melhor.

Fonte: http://pt.fifa.com/

São Paulo – Brasil – 23:22

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Brasil 2014 – Lahm diz que não quer sofrer como o Brasil e projeta classificação no tempo normal

Philipp Lahm na entrevista coletiva alemã pré-jogo com a Argélia
Philipp Lahm na entrevista coletiva alemã pré-jogo com a Argélia

Lateral e capitão da seleção alemã, Philipp Lahm afirmou que não pretende sofrer para se classificar às quartas de final da Copa do Mundo. A tricampeã enfrenta a Argélia, nesta segunda-feira, no Beira-Rio, como favorita, mas o jogador citou os sufocos passados por Brasil e Holanda contra Chile e México, respectivamente, para manter o respeito.

“Nós jogamos futebol e vivemos de altos e baixos. O Brasil teve dificuldades com o Chile, teve que ir para prorrogação e pênaltis, Holanda teve problemas com México. Agora são oitavas de final, se perder você está fora, Então não queremos ter os problemas que os outros tiveram. Tentaremos ganhar nos 90 minutos. Os times considerados de menor expressão mostraram que estão preparados”, analisou o jogador do Bayern de Munique.

“Queremos entrar nas quartas, e amanhã temos o primeiro jogo do mata-mata. Ou nós entregamos o resultado ou vamos para casa. A Argélia vai buscar a vitória, quer mostrar que mereceu chegar às oitavas. Vamos ter de nos concentrar totalmente”, falou.

Lahm admitiu não conhecer muito de cada atleta argelino, mas elogiou o adversário de forma coletiva. “Estudamos muito o nosso adversário, assistismos a vídeos: se defendem juntos, não querem perder uma disputa, chegam forte, não é um time agradável para se jogar contra. Temos que atacar e defender de forma agressiva”.

Fonte: http://espn.uol.com.br/

São Paulo – Brasil – 23:53

Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão

Brasil 2014 – Prévia do dia: africanos desafiam europeus

Prévia do dia: africanos desafiam europeus
© Getty Images

No terceiro dia de disputas pelas oitavas de final da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, a África lançará um enorme desafio à Europa. A Argélia se classificou aos mata-matas pela primeira vez na história e não teme mais nenhum adversário — nem mesmo a tricampeã mundial Alemanha. Afinal, os dois países já se enfrentaram duas vezes e o retrospecto não deixa margem a dúvidas: foram duas vitórias argelinas, uma em amistoso de 1964 (2×0) e outra na fase de grupos do Mundial de 1982 (2×1).

A França também perdeu da Nigéria no único confronto entre as duas nações, em 2009. Os Bleus realizaram um começo de Mundial exemplar e marcaram oito gols em dois jogos antes de passarem em branco no empate com o Equador. Já os nigerianos tiveram uma campanha de altos e baixos numa chave mais equilibrada que o previsto. Embora não tenham conseguido balançar as redes do Irã no jogo de estreia, eles venceram o principal concorrente, a Bósnia e Herzegovina, antes de fazerem a sua melhor apresentação contra a Argentina, apesar da derrota por 3 a 2. A tradição e as estatísticas são favoráveis aos franceses, mas qual será o verdadeiro rosto das duas equipes quando a brazuca começar a rolar em Brasília?

Os jogos
Oitavas de final
França x Nigéria, Estádio Nacional, Brasília, 13h (hora local)
Alemanha x Argélia, Estádio Beira-Rio, Porto Alegre, 17h (hora local)

Você sabia?

Artilharia
O alemão Miroslav Klose, que já marcou 15 gols em Mundiais, só precisa de mais um para superar o brasileiro Ronaldo e se tornar o maior artilheiro da história da Copa do Mundo da FIFA. Klose colocou cinco bolas na rede em 2002, outras cinco em 2006, quatro em 2010 e uma em 2014. 

Marca inédita 
A Nigéria é a primeira equipe africana a alcançar a etapa de mata-matas em três oportunidades (1994, 1998 e 2014). O melhor desempenho de uma seleção da África em Copas do Mundo é a participação nas quartas de final, feito registrado por Camarões (1990), Senegal (2002) e Gana (2010).

Reencontros
No dia 2 de junho de 2009, a Nigéria derrotou a França por 1 a 0 em amistoso realizado na cidade de Saint-Etienne. Cinco jogadores presentes no Brasil participaram daquele encontro: os franceses Patrice Evra, Loïc Rémy e Karim Benzema e os nigerianos Peter Odemwingie e Vincent Enyeama. 

No bom caminho 
Desde 1958, esta é a sexta vez que a França se classifica para os mata-matas, e o país sempre chegou às semifinais quando conseguiu superar a fase de grupos: 1958 (terceiro lugar), 1982 (quarto lugar), 1986 (terceiro lugar), 1998 (campeão), 2006 (vice-campeão).

Números
Contra a Argélia, a Alemanha disputará a sua partida de número 889 com um excepcional balanço de 515 vitórias, 181 empates e apenas 192 derrotas. Ao longo desses encontros, os alemães marcaram a bagatela de 1.996 gols, o que representa uma média de 2,24 por partida.

Jogadores suspensos
Nenhum

Ameaçados
Benedikt Höwedes (Alemanha); Nabil Bentaleb, Nabil Ghilas, Liassine Cadamuro, Djamel Mesbah e Madjid Bougherra (Argélia); Paul Pogba e Patrice Evra (França);
Juwon Oshaniwa, Kenneth Omeruo e John Obi Mikel (Nigéria)

Você vai gostar de ver
O encontro entre Argélia e Alemanha trará lembranças para alguns torcedores. Há 32 anos, os argelinos escreveram uma das mais belas páginas da sua história ao vencerem os germânicos por 2 a 1 na fase de grupos da Espanha 1982. Relembre a façanha emvídeo e nas nossas entrevistas exclusivas com Lakhdar Belloumi e Rabah Madjer.

Na França, todos se perguntam como a seleção conseguiu se transformar tão rapidamente em uma equipe unida, que joga bem e marca um gol atrás do outro (26 em oito jogos, contra apenas três gols sofridos) depois de perder da Ucrânia por 2 a 0 em Kiev no primeiro duelo da repescagem, em novembro do ano passado. O técnico Didier Deschamps deu parte da resposta em entrevista concedida à FIFA.

FIFA.com também conversou com o capitão da Nigéria, Joseph Yobo, às vésperas da partida contra a França. O ex-jogador do Olympique de Marselha completou recentemente a marca de cem jogos pela seleção e garante querer mais.

Nesse dia em…
No dia 30 de junho de 2002, o Brasil conquistou o seu quinto título mundial ao derrotar a Alemanha por 2 a 0 em Yokohama, no Japão. O trio formado por Ronaldinho, Rivaldo e Ronaldo era o grande destaque do 3-4-1-2 da equipe então comandada por Luiz Felipe Scolari. Os dois gols da vitória saíram dos pés de Ronaldo, que foi o artilheiro da competição com oito gols, enquanto o capitão Cafu se transformou no primeiro jogador a disputar três finais de Copa do Mundo consecutivas. Vale lembrar que Miroslav Klose também já fazia parte do ataque alemão.

Nas redes sociais

Ver imagem no TwitterEmbedded image permalink

Frase do jogador alemão Lukas Podolski em seu Twiter

Fonte: http://pt.fifa.com/

São Paulo – Brasil – 23:35

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Josy Galvão