Revolução Pernambucana vira quadrinhos

Desenhista da Marvel e da DC Comics adapta história do único movimento separatista do período colonial que ultrapassou a fase conspiratória: “O povo não tem a menor ideia do que aconteceu”, diz.

Comics über die Pernambuco Revolution 1817 in Brasilien (Ueon Productions)

O roteiro, assinado por Eron Villar, é baseado no livro do jornalista Paulo Santos Oliveira, também pernambucano

Pouco antes de se tornar oficialmente independente de Portugal, o Brasil abrigou, durante 74 dias, uma pequena república libertária e abolicionista, muito diferente da monarquia absolutista vigente.

Único movimento separatista do período colonial que ultrapassou a fase conspiratória, a Revolução Pernambucana de 1817 é pouco conhecida entre o grande público. Mas isso pode, aos poucos, mudar. Desenhista da Marvel e da DC Comics, o pernambucano Thony Silas acaba de lançar A Noiva, uma história em quadrinhos sobre a revolta republicana, que está completando 200 anos.

Conhecido por desenhar super-heróis como Homem-Aranha, Batman, Super-Homem e Mulher Maravilha, Silas adaptou seu traço e sua paleta de cores para contar a história do amor proibido entre Maria Teodora, filha de um rico comerciante português, e Domingos Martins, um dos principais líderes da revolução, conhecido com Leão Coroado. O casamento dos dois acabou sendo um dos momentos mais emblemáticos da revolução de 1817.

“Topei com a história por acaso durante um projeto de restauração de pontos históricos de Recife”, conta Silas. “E, de imediato, a sensação que eu tive foi de uma frustração muito grande por não ter conhecido a história antes e ter podido produzir algo sobre ela já há muito tempo.”

O roteiro, assinado por Eron Villar, é baseado no livro do jornalista Paulo Santos Oliveira, também pernambucano, A noiva da revolução, lançado há dez anos.

“Não é que a Revolução de 1817 não seja estudada por grandes historiadores; ela é. Mas o conhecimento ficou restrito à academia”, diz Oliveira. “O povo não tem a menor ideia do que aconteceu.”

Comics über die Pernambuco Revolution 1817 in Brasilien (Ueon Productions)

Os quadrinhos de Villar

E aconteceu muita coisa. Influenciados pelas ideias iluministas vindas da França, pela independência dos Estados Unidos e pressionados pelo governo absolutista português, que tinha se instalado no Brasil poucos anos antes, os pernambucanos derrubaram o poder local e instauraram o primeiro governo independente do país – que durou 74 dias.

Desafiando a tradição, o Leão Coroado, logo nos primeiros dias da revolução, se casou com Maria Teodora, que era filha de um português – a mistura não era bem vista na época. Mas não foi só isso. A noiva apareceu na igreja sem os penteados altos e elaborados que a aristocracia usava então. Surgiu de cabelos cortados bem curtos, sem joia alguma, a exemplo das revolucionárias francesas. O casamento acabou virando um símbolo da revolução e foi comemorado pelo povo nas ruas.

A revolução, diz Oliveira, acabou influenciando a Revolta do Porto, em Portugal, em 1820, que forçou a volta de Dom João, contribuindo para a independência brasileira, em 1822.

“Vivemos uma crise de referência muito grande”, afirma Silas. “Louvamos essa história de dominação, de uma independência que nos foi dada e não mostramos interesse, reverência por essa outra história, que mostra a luta pela liberdade. Então resolvi usar a minha arte para mostrar isso.”

Curiosamente, a Inconfidência Mineira, um movimento mais conservador, e seu principal líder, Tiradentes, são muito mais conhecidos dos brasileiros.

“Temos que entender que quem escreve a história é quem tem o poder”, resume a historiadora Socorro Ferraz, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “Era uma revolução republicana, uma tentativa de deixar o Império Português. E ela foi totalmente dizimada, os pernambucanos perderam, não estavam preparados militarmente e não receberam o apoio que esperavam. O restante do Brasil queria a independência, mas dentro de uma solução bem mais conservadora, de um império brasileiro com Dom Pedro.”

Por outro lado, diz Socorro, embora tenha durado pouco tempo, a Revolução Pernambucana deixou uma semente importante: “Ela foi responsável pelo início da desagregação do bloco de poder que sustentava o Império Português.”

A revolução foi dizimada de forma sangrenta, deixando cerca de 1.800 mortos e mais de 800 degredados. O Leão Coroado foi preso em combate e fuzilado.

Fonte:    http://www.dw.com/pt-br

São Paulo – Brasil – 00:06

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: