Archive for the ‘Bate Bola’ Category

Gallo e a redução da maioridade no futebol

Gallo e a redução da maioridade no futebol

© FIFA.com

Olhando os rostinhos arredondados e os sorrisos de aparelhos no dentes, é difícil conceber, mas a ideia de que os jogadores da categoria sub-17 são adolescentes apenas começando a desenhar um caminho que pode ou não resultar no profissionalismo é coisa do passado – ainda mais num país onde o futebol tem a importância que tem no Brasil.

E o resultado disso, então, é que cada vez mais cedo esses rostinhos e sorrisos têm que se acostumar com serem reconhecidos na rua, serem cobrados por boas atuações e, quando servem à Seleção Brasileira, como carregarem a pressão dessa ideia de que, vestindo a camisa amarela de cinco estrelas, vencer é sempre uma obrigação. Duro, não? Pois Alexandre Gallo, técnico da Seleção sub-17, acha é ótimo.

“As fases para essas novas gerações foram antecipadas, e o processo, acelerado. Em países como oBrasil, o sub-17 é o novo sub-20: é lá que você encontra os jogadores que estão a um passo – a meio passo, na verdade – de estarem definitivamente integrados ao profissional”. Hoje eu convoco a sub-17 usando critérios que antes eram da sub-20: tenho que solicitar liberação aos clubes, que utilizam os garotos no time principal”, explica  o treinador, que este ano assumiu o comando técnico da Seleção Brasileira nas três categorias de base: sub-15, sub-17 e sub-20. “Então, participar de uma Seleção, com essa idade, hoje significa muito mais do que antes. O garoto já é reconhecido pelo porteiro do prédio, já vê cobrança pelo resultado com a Seleção. Isso tudo gera pressão, claro. E, sabe o quê? É ótimo que gere e que o jogador já sinta isso cedo. Assim, percebe-se logo quem são os que têm as características para lidar bem com isso.”

A base se profissionaliza e vice-versa
A eloquência e a articulação com que Gallo descreve os processos das categorias de base parecem coisa de quem tratou disso a vida inteira, mas, de fato, é justamente o contrário: até este 2013, os 11 anos de carreira de treinador do ex-volante foram todos dedicados a equipes profissionais. No final das contas, um perfil que acaba sendo bem propício para tratar com uma molecada que cada vez mais cedo já vive assim, como adulta.

“Meu caminho é o inverso daquele da maioria dos técnicos, e acho que acaba sendo positivo. Eu trato a garotada com a mesma seriedade com que sempre fiz nos elencos adultos que treinei, e a resposta que tenho tido é bem boa”, conta Gallo, de 46 anos, cujo currículo inclui passagens como o título brasileiro de 2004, como auxiliar técnico de Vanderlei Luxemburgo no Santos, além de dois campeonatos estaduais, por Sport (2007) e Figueirense (2008), e uma Recopa Sul-Americana pelo Internacional (2007). “Minha intenção é mesmo a de profissionalizar cada vez as categorias de base, e isso faz ainda mais sentido quando você vê garotos como Abner (Coritiba), Gabriel (Santos) ou Kenedy (Fluminense), que já jogam e têm papéis importantes no elenco principal de seus clubes”, diz ele, fazendo referência a três garotos que estão em sua pré-lista de 26 jogadores que se prepara para a disputa da Copa do Mundo Sub-17 da FIFA, nos Emirados Árabes Unidos.

Obrigação de gente grande
O cenário descrito pelo treinador ajuda a dar sua resposta a uma questão frequente quando se discutem as categorias de base: o que importa mais, formar uma equipe vencedora ou pensar em formar valores – ainda que um ou outro – para o futuro? Sua visão é mais do que clara. “Eu sou o selecionador e tenho que escolher os jogadores que estão mais prontos para este momento. É impossível, a esta altura, entrar com a ideia de pensar no futuro. Até porque não existe nada que ajude a selecionar melhor, a filtrar, do que a competição; do que jogar para vencer. Este é o momento primordial com que eles têm que se acostumar para a vida toda.”

No caso do Brasil, “jogar para vencer” pode ser descrito como simplesmente “jogar”. A segunda parte está implícita. “No nosso caso, ainda tem isso: nascer brasileiro significa carregar esse fardo de, no futebol, ter obrigação de ganhar qualquer par ou ímpar. Contra a camisa amarela, quase todo time faz o jogo da vida. É ainda mais pressão. O bom é que boa parte deste grupo que vai aos Emirados é formado por gente que já conquistou o Campeonato Sul-Americano sub-15 em 2011. Eles estão acostumados”, analisa Gallo, que a esta altura já deixa bem claro que não se deixa enganar por rostinhos arredondados ou sorrisos metálicos. “Com esta meninada, está tudo bem claro: eles sabem que as coisas não são fáceis.”

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil – 23:11

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  ‏@Batom_efutebol

JGalvão

Anúncios

As frases da semana

As frases da semana

© AFP

As classificações de Atlético-MG e Fluminense às quartas de final da Libertadores, as prévias de decisões em São Paulo, Minas e em Portugal e a aposentadoria de Alex Ferguson são alguns destaques desta semana. Confira o resumo das melhores frases deste período:

“Teve um vídeo de quem andou criticando, falando mal da gente. Só nos motivou mais ainda. Falaram que o Atlético-MG era cavalo paraguaio e está aí. A gente foi, fez nosso feijão com arroz. Esta aí para provar”, Diego Tardelli, atacante do Atlético-MG, após a classificação às quartas da Libertadores.

“O sentimento é de frustração por não conseguir levar o São Paulo adiante. Mas temos que ser realistas: o Atlético foi superior ao nosso time, aqui e no Morumbi, quando jogou com 11 contra 10. A gente fica extremamente chateado, mas não podemos dizer que perdemos de forma injusta. Muito pelo contrário”, Rogério Ceni, goleiro e capitão do São Paulo.

“O adversário foi infinitamente superior hoje. A gente sabia da dificuldade do jogo e nós realmente jogamos abaixo. O Atlético foi muito bem, nos atropelou”, Ney Franco, técnico do São Paulo, conformado com a eliminação.

“Quando dei aquela declaração, entenderam errado. Era um jogo que não mudaria nada para gente, então que tínhamos mais é que nos divertir”, Ronaldinho Gaúcho, tentando explicar a frase dita ainda na primeira fase, quando o Atlético-MG perdeu para o São Paulo e classificou o rival.

“Quando está valendo, está valendo”, o mesmo Ronaldinho, já bem mais descontraído, após a goleada das oitavas.

“Ah, é jogo-treino!”, torcida do Atlético-MG, brincando com estas declarações durante a goleada por 4 a 1 nas oitavas.

“Foi sofrido. Para mim foi uma semana ainda mais difícil. Eu não sabia se ia para o jogo, se ficava no banco. Pela situação acabei preferindo jogar de início e foi acima da minha expectativa. Não senti nada, só mesmo falta de ritmo de jogo”, Fred, atacante do Fluminense, após voltar de lesão e ajudar o time a avançar às quartas da Libertadores.

“Vamos entrar em campo pensando sempre em vencer, mas se no final a vantagem for usada, não vejo problemas”, Diego Souza, meia do Cruzeiro, sobre a final do Campeonato Mineiro contra o Galo.

“Nos últimos anos, Santos e Corinthians têm feito bons jogos, decidindo campeonatos. A história diz isso. Nossa equipe está preparada para enfrentar um grande time. Faremos de tudo por esse tetra inédito”, Edu Dracena, zagueiro e capitão do Santos, antes da final do Campeonato Paulista.

“Não vai ser decidido no primeiro jogo, mas sim na Vila (Belmiro). Na minha opinião, duas equipes com esse nível técnico não podem decidir com somente uma partida. Podemos alcançar o resultado tanto quanto eles. Pensar no título é por etapas”, Tite, técnico do Corinthians, sobre a decisão.

“Foi uma honra ter podido treinar o United. A decisão de me aposentar era algo pensado. Acredito que seja o momento exato”, Alex Ferguson, 71, confirmando sua aposentadoria após treinar o Manchester United por 27 anos.

“Como já disse muitas vezes, o chefe (Ferguson) não foi somente o melhor técnico com quem já trabalhei, mas também uma figura paterna para mim desde o momento em que cheguei ao clube (United), com 11 anos de idade, até o dia em que fui embora”, David Beckham, meia do Paris Saint-Germain e um dos principais pupilos do treinador escocês.

“A trajetória do Ferguson no Manchester United foi excepcional. Felizmente, sua aposentadoria fará com que a vida do meu clube, o Aston Villa, fique um pouco menos dura”, David Cameron, primeiro ministro britânico.

“Obrigado por tudo, chefe”, Cristiano Ronaldo, atacante do Real Madrid e que conquistou o prêmio de Jogador do Ano da FIFA sob o comando do treinador.

“Sir Alex, você é uma lenda e suas conquistas dificilmente serão superadas. Você foi meu ídolo como técnico e é um exemplo para as futuras gerações”, Pelé, em sua conta do Twitter.

“Sir Alex Ferguson está se aposentando. Parabéns pela impressionante carreira”, Radamel Falcao, atacante do Atlético de Madri, em sua conta do Twitter.

“No Shakhtar Donetsk eu consegui vários títulos, mas a visibilidade não era muito boa. Um dos motivos para eu voltar foi para ter esse chamariz, num clube de primeira o Brasil e no mundo”,Jadson, meia do São Paulo, em entrevista ao FIFA.com.

“Vencer um título já é bom, mas quando se vence na casa do seu maior rival então é ainda mais doce. Parece mel”, Hulk, antigo atacante do FC Porto, sobre o clássico entre o ex-clube e o Benfica, que pode decidir o título português, ao FIFA.com.

“É claro que a marca de 30 anos é um momento crucial na vida de todas as pessoas. No esporte, é a mesma coisa. Depois que se passa dessa marca, você precisa fazer com que os jogos, mas também os treinamentos, funcionem em função da sua experiência. É necessário trabalhar muito mais para conseguir manter o mesmo nível”, Gianluigi Buffon, goleiro da Juventus, em entrevista ao FIFA.com.

“Estou muito feliz, embora possa não parecer. É assim que costumo me expressar. Pensei que ficaria de fora da fase final e falei comigo mesmo: você não pode sair assim deste torneio. A pressão era enorme!”, Bruce Grannec, vencedor da edição de 2013 da FIWC.

“Não sei se o Panamá pode ganhar do México, vamos ver nesse dia. Não podemos nos antecipar. O que posso dizer é que será um compromisso muito duro porque enfrentaremos uma das melhores seleções de nossa região, uma equipe que sempre foi complicada”, Luis Tejada, atacante do Panamá, em entrevista ao FIFA.com.

“Foi minha primeira participação no Torneio Blue Stars. Foi muito especial, é uma sensação simplesmente maravilhosa jogar contra grandes clubes. Foi indescritível”, Thierry Ursprung, goleiro do Zurique, após vencer o Torneio Juvenil FIFA/Blue Stars 2013 e ser considerado o Luva de Ouro adidas.

“Enfrentaremos adversários de diferentes escolas de futebol, sabendo que todos têm chances semelhantes de classificação. Acredito que podemos conseguir uma das duas vagas para a segunda fase, porque confio plenamente nos meus jogadores”, Ahmadjon Musaev, selecionador doUzbequistão, na antevisão da Copa do Mundo Sub-20 da FIFA.

“Estou feliz de ter encontrado o meu faro de artilheiro desde que cheguei ao Liaoning, e contente de ver que os meus compatriotas também estão fazendo um bom trabalho nos seus respectivos clubes”,Edu, atacante brasileiro do Liaoning Whowin, da China.

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil –  22:19

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  ‏@Batom_efutebol

JGalvão

Frases da semana

As frases da semana

© AFP

As eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA e os amistosos realizados pelo Brasil são os destaques da semana. Confira o resumo das melhores frases.

“Gostei que, no final, não ficámos desesperados e tivemos uma boa reação. Acredito que estamos no caminho certo”, Luiz Felipe Scolari, selecionador brasileiro, após o empate no amistoso com a Rússia.

“O legal é que, dessa vez, o Felipão vai valorizar as posições que a gente atua nos clubes. Ele sabe que não sou um volante defensivo, mas, sim, alguém que sai de trás com a bola, armando o jogo, aparecendo na frente”, Hernanes, meia brasileiro, em entrevista ao FIFA.com.

“Nem sempre é fácil punir alguém ou aplicar uma sanção por racismo, mas acho que, por termos tanta gente inteligente apoiando a causa nesse momento, encontraremos uma maneira. Felizmente as coisas começarão a partir de hoje”, Kevin-Prince Boateng, meia ganês, após o encontro com o presidente da FIFA Joseph S. Blatter.

Fico feliz por ter atingido essa meta e por ser, ainda hoje, o melhor marcador da seleção. Mas estes recordes são para se bater, como eu bati o do Eusébio, outro jogador vai bater o meu. É a lei da vida e acredito que o Cristiano Ronaldo vai conseguir”, Pedro Pauleta, melhor marcador de sempre da seleção portuguesa, ao FIFA.com

“É nos momentos difíceis que esta equipa mostra o seu carácter. Era muito importante ganhar e eu nunca deixei de ter fé”, Bruno Alves, zagueiro português, após a vitória sobre o Azerbaijão, nas eliminatórias da Copa do Mundo da FIFA.

“Viemos para vencer aqui no México, mas ficamos satisfeitos com o resultado. Nossa estratégia era simples: queríamos fechar os espaços no meio de campo e impedi-los de colocar a bola no chão. Quando eles começaram a tentar o jogo aéreo, soubemos que estávamos indo bem”, Jurgen Klinsmann, selecionador dos Estados Unidos, após o empate com o México para as eliminatórias da CONCACAF.

“Com tantas oportunidades, devíamos ter resolvido o jogo mais cedo. É verdade que não fizemos uma grande exibição, mas fizemos o suficiente para ganhar”, Paulo Bento, selecionador português, após o empate com Israel.

“É óbvio que sabemos que somos uma equipe forte e com grandes metas. E quando disputamos um torneio como a Copa do Mundo da FIFA o nosso objetivo é vencê-lo”, Mario Götze, internacional alemão, ao FIFA.com.

“As circunstâncias que estão acontecendo não são normais em uma equipe. São inúmeras lesões e ainda perco um jogador antes de entrar no jogo, além de ter que fazer estreias e improvisações”,Gilson Kleina, técnico do Palmeiras, após a derrota por 6 a 2 com o Mirassol.

“O Mundial não sai das nossas cabeças. Estou muito orgulhosa com o que alcançamos em 2012, mas ainda há muito pela frente. Logo depois de ter colocado a medalha de ouro no peito, tudo volta para o começo. Com certeza, 2013 é o ano da preparação para a Copa do Mundo”, Alex Morgan, jogadora da seleção feminina norte-americana, em entrevista ao FIFA.com.

Nas redes sociais
“Sinto-me melhor a cada dia que passa. Hoje já trabalho no gramado. Vamos lá, Kun”, Sergio Aguero, internacional argentino do Manchester City, revela que o seu regresso está para breve no Twitter.

De fora de campo
“Respeito e admiro Lionel Messi por suas qualidades humanas e esportivas. Os bolivianos vão ao estádio para apoiar nossa seleção nacional, mas muitos deles vão comprar o ingresso para ver Messi. Estou convencido disso”, Evo Morales, presidente da Bolívia, antes do duelo entre a seleção de seu país  e a Argentina pelas eliminatórias.

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil –  22:20

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  ‏@Batom_efutebol

JGalvão

Beckham é o jogador mais bem pago do mundo

Beckham treinou no Arsenal antes de ir para o PSG

Beckham é o jogador mais bem pago do mundo, de acordo com a France Football – Getty
A revista francesa France Football divulgou um novo ranking dos jogadores de futebol mais bem pagos do mundo. A grande novidade da lista é a volta de David Beckham à liderança, que foi ocupada pelo argentino Lionel Messi nos últimos três anos. O brasileiro mais bem colocado é Neymar, que aparece na quinta posição.
Contratado pelo Paris Saint-Germain no início deste ano, Beckham doa os salários que recebe do time francês para instituições de caridade. Mesmo assim, o inglês ganha, segundo os cálculos da publicação, 36 milhões de euros (R$ 92,5 milhões) por ano. É a primeira vez que um atleta atinge este valor desde que a revista passou a fazer o levantamento.
Beckham é seguido de perto por Messi, que ganha 35 milhões de euros (R$ 90 milhões) por ano. O terceiro colocado é o português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, que fatura 30 milhões de euros (R$ 77,1 milhões).
Neymar supera 'maratona' e treina pela manhã no Santos
Neymar fatura R$ 51,4 milhões por ano – Divulgação
O camaronês Samuel Eto’o, do Anzhi Makhachkala, da Rússia, ocupa a quarta posição, com 24 milhões de euros (R$ 61,7 milhões). Neymar, o quinto, recebe 20 milhões de euros (R$ 51,4 milhões).Em 2003, quando atingiu pela primeira vez o ranking publicado pela revista, Beckham ganhava “apenas” 15 milhões de euros (R$ 38,5 milhões), menos da metade do que embolsa atualmente. Segundo a revista, somente 9% do faturamento de Beckham provêm dos salários recebidos – a maior parte vem da publicidade.
Já Messi tem uma renda mais equilibrada: recebe 12,5 milhões de euros (R$ 32,2 milhões) de salários, meio milhão em prêmios e o restante com publicidade. Ainda de acordo com a publicação, Neymar ganha 7 milhões de euros (R$ 18 milhões) de salários do Santos – boa parte do restante do que ele fatura vem de seus 11 patrocinadores pessoais.
A lista da “France Football”, que será publicada na terça-feira, marca um aumento dos salários dos jogadores e a alta dos países emergentes. Os 20 mais bem pagos do mundo acumularam 368,6 milhões de euros, 5,52% a mais que em 2012, um novo recorde.
Na lista, aparecem quatro atletas de ligas emergentes. Além dos já citados Eto’o e Neymar, o marfinense Didier Drogba, do turco Galatasaray, e o argentino Dario Conca, do chinês Guangzhou Evergrande, estão na lista – o atacante africano é o 17º (R$ 32,4 milhões) e o armador, ex-Flu, é o 19º (R$ 31,1 milhões).
Veja a lista dos 20 jogadores mais bem pagos do mundo:
1. David Beckham (Paris Saint-Germain) – R$ 92,6 milhões
2. Lionel Messi (Barcelona) – R$ 90,1 milhões
3. Cristiano Ronaldo (Real Madrid) – R$ 77,2 milhões
4. Samuel Eto’o (Anzhi) – R$ 61,7 milhões
5. Neymar (Santos) – R$ 51,4 milhões
6. Sergio Agüero (Manchester City) – R$ 48,9 milhões
7. Wayne Rooney (Manchester United) – R$, 46,3 milhões
8. Zlatan Ibrahimovic (Paris Saint-Germain) – R$ 45,5 milhões
9. Yaya Touré (Manchester City) – R$ 42,7 milhões
10. Fernando Torres (Chelsea) – R$ 41,9 milhões
11. Carlos Tevez (Manchester City) – R$ 41,7 milhões
12. David Silva (Manchester City) – R$ 41,7 milhões
13. Kaká (Real Madrid) – R$ 37,2 milhões
14. Bastian Schweinsteiger (Bayern de Munique) – R$ 36 milhões
15. Phillip Lahm (Bayern de Munique) – R$ 34,7 milhões
16. Iker Casillas (Real Madrid) – R$ 32,6 milhões
17. Didier Drogba (Galatasaray) – R$ 32,4 milhões
18. Gianluigi Buffon (Juventus) – R$ 31,9 milhões
19. Darío Conca (Guangzhou Evergrande) – R$ 31,1 milhões
20. Karim Benzema (Real Madrid) – R$ 30,8 milhões

 

Fonte: http://espn.estadao.com.br

São Paulo – Brasil –  22:07

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  ‏@Batom_efutebol

JGalvão

Os brasileiros pelo mundo

Veja um resumo do que fizeram os brasileiros que atuam mundo afora, com destaque para gol de Ramires na Inglaterra, o retorno de Marcelo ao time titular – mesmo que ligeiramente misto – do Real Madrid e um punhado de artilheiros espalhados pelo planeta:

Inglaterra: A grande novidade da temporada, entre os brasileiros, foi – e continua sendo – a importância que adquiriu Philippe Coutinho tão logo chegou ao Liverpool. Ele foi de novo titular, assim como Lucas Leiva, e mostrou mais do entendimento que vem tendo com o uruguaio Luis Suárez no ataque dos Reds – que derrotaram o Tottenham por 3 a 2 em Anfield Road e chegaram à terceira vitória seguida na Premier League para alcançar o sexto lugar com 45 pontos, dois a menos do que o Arsenal. O líder Manchester United não entrou em campo pela liga, mas pela Copa da Inglaterra, quando deu toda a impressão de que eliminaria o Chelsea ao abrir 2 a 0 em Old Trafford com 11 de minutos de jogo. No entanto, graças em boa parte a seus brasileiros, os Blues empataram: depois de Eden Hazard diminuir na segunda etapa, o segundo gol veio num contra-ataque em que Oscar deixou Ramires em condição de decretar o 2 a 2.

Alemanha: A história no topo é a mesma: vitória do Bayern de Munique – a oitava consecutiva, por 3 a 2 sobre o Fortuna Düsseldorf – e uma vantagem que chega a 20 pontos sobre o segundo colocado, o Borussia Dortmund. Os gols brasileiros da rodada vieram em duas boas vitórias fora de casa: na do Wolfsburg por 5 a 2 sobre o Freiburg, Diego marcou o último, numa partida em que o ex-vascaíno Fágner também foi titular. Já o Hoffenheim, além do goleiroGomes, contou com o ex-Figueirense Roberto Firmino entre seus 11 que começaram a partida. O atacante alagoano marcou seu quarto gol na temporada da Bundesliga.

Espanha: Mesmo com time misto, de olho no confronto contra o Milan pelas oitavas da UEFA Champions League, o Barcelona venceu de novo: com os laterais Dani Alves Adriano entre os titulares, o time fez 2 a 0 no Deportivo La Coruña. Lionel Messi entrou no jogo aos 17 da segunda etapa e, 15 minutos depois, marcou o segundo. Os azul-grenás vão a 71 pontos, contra 58 do Real Madrid, que, como sempre, contou com Cristiano Ronaldo para se salvar: ele fez os dois na vitória por 2 a 1 sobre o Celta de Vigo, a quinta consecutiva na liga. Para ajudar, o Atlético de Madri perdeu e caiu para o terceiro lugar, com 57. A novidade ficou por conta de Marcelo: após ficar na reserva de Fábio Coentrão em três duelos importantes – dois contra o Barcelona e um contra o Manchester United -, o brasileiro saiu jogando novamente. Kaká entrou aos 21 da segunda parte e pouco depois sofreu o pênalti que resultou no gol da vitória.

Itália: Revelado pelo Palmeiras, o volante Anselmo – que disputou a Série B do Brasileirão de 2011 pelo Grêmio Barueri e a de 2012 pelo São Caetano – foi o único brasileiro que marcou gol na rodada do Italiano: fez o único do Palermo na derrota por 2 a 1 em casa para o Siena. Isso, claro, a não ser que contemos o hat-trick de Amauri, naturalizado italiano, nos 4 a 1 do Parma sobre o Torino. Mas nenhuma partida teve tantos brasileiros participando quanto o empate em 1 a 1 entre Udinese e Roma: de um lado, foram quatro titulares – os ex-palmeirenses Danilo Gabriel Silva; o ex-botafoguense Maicosuel e o ex-vascaíno Allan – enquanto os romanos tiveram a dupla de zaga ex-Corinthians, Leandro Castán Marquinhos e, no banco, o veterano Taddei e os garotos Dodô  Jonatan Lucca. O fim de semana serviu para deixar a líder Juventus mais tranquila: o time venceu o Catania por 1 a 0, foi a 62 pontos e levou a nove a vantagem sobre o Napoli, que perdeu por 2 a 0 para o Chievo em Verona.

E o que mais?
Na França, bem que Lucas participou muito – chegou a ter um tento invalidado e a perder outro cara a cara com o gol -, mas ainda não foi nos 2 a 1 sobre o Nancy que o ex-são-paulino marcou seu primeiro com a camisa do Paris Saint-Germain. Quem fez as honras, como quase sempre, foi Zlatan Ibrahimovic. Brasileiro marcando mesmo, só Túlio de Melo, que joga no país desde 2005. Ele fez um dos três do Lille nos 3 a 1 sobre o Valenciennes.

O empate em 2 a 2 entre Gaziantepspor e Akhisar Belediyespor, na Turquia, se deve muito a dois brasileiros: primeiro, o ex-flamenguista Bruno Mezenga – que já andou perambulando também por Polônia e Sérvia – abriu 2 a 0 para os visitantes. Mas, aos 36 da segunda parte, após ter entrado em campo no intervalo, Wilton Figueiredo, jogador de 30 anos formado pelo São Paulo, que viaja o mundo desde 2005, definiu o placar final. Outra curiosidade vem da Holanda, onde Everton, um atacante formado pelo Grêmio Barueri, marcou o único gol na vitória por 1 a 0 do time que defende desde 2006, o Heracles Almelo, sobre o NEC.

Nos Emirados Árabes Unidos, uma liga em que não faltam brasileiros se destacando, a 18ª rodada não foi diferente. Sobretudo com Grafite, que marcou três na goleada por 6 a 2 de seu Al Ahli sobre o Dubai. Ele chegou a 23 gols e só não é o artilheiro porque o ganês Asamoah Gyan marcou dois para o líder Al Ain. Quem também marcou foi Bruno Corrêa, andarilho que hoje defende o Al Nasr, e o centroavante Ricardo Oliveira, que continua a rotina de sua vida e marca gol atrás de gol pelo Al Jazira: com o desta semana, ele chegou a 11.

Na Ásia, a J-League está só no início, mas já tem brasileiro liderando a tabela de artilheiros: Marquinhos, ex-ídolo do Kashima Antlers, marcou três pelo Yokohama Marinos nos 5 a 0 sobre o Shimizu S-Pulse e já tem cinco na temporada.  E, na Arábia Saudita, o Al Ahli teve sua goleada por 5 a 1 sobre o Najran marcada por gols do Brasil: dois de Bruno César e um de Victor Simões.

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil – 23:05

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

JGalvão

Tendências que se confirmam

Um Brasil cada vez mais atraente, um crescente interesse pelos jogadores japoneses e a chegada incessante de jogadores francófonos na Inglaterra são as tendências que o mercado de transferências tem confirmado neste início de ano, enquanto os países do Oriente Médio continuam figurando entre os destino da moda. A seguir,  um raio-x das principais contratações das duas últimas semanas.

Antes de receber o mundo para a grande festa do futebol em 2014, o Brasil já vem atraindo jogadores de todo o planeta bola para um campeonato cada ano mais competitivo. E desta nova leva de estrangeiros nos gramados brasileiros, o destaque fica por conta dos concorrentes sul-americanos.

O lateral-esquerdo Fabián Monzón, com passagem pela Albiceleste, trocou o Lyon pelo Fluminense. Outro que chegou ao Brasil, mas ao Grêmio, foi o chileno Eduardo Vargas, revelação do futebol sul-americano em 2011. Depois de iniciar 2012 com a camisa do Napoli e de conquistar a Copa da Itália, o atacante voltou a atravessar o Atlântico, mas desta vez no sentido contrário.  O zagueiro brasileiro Gil, por sua vez, passou uma temporada no futebol francês com o Valenciennes e, um ano depois de ter deixado o Cruzeiro, retornou ao país para jogar no Corinthians.

Evidentemente, há também quem tenha embarcado nos aeroportos brasileiros rumo ao exterior. Um deles foi Vágner Love, que voltou ao CSKA, time pelo qual atuou de 2004 a 2011 entre um empréstimo e outro para Palmeiras e Flamengo, seu último clube. Já o volanteFrança deixou o Criciúma para uma primeira experiência na Europa com o Hannover, enquanto o uruguaio Sebastián “Loco” Abreu disse adeus ao Brasil para defender pela terceira vez as cores do Nacional de Montevidéu, selando a 21ª transferência da sua carreira!

O turco Nuri Sahin trocou de camisa apenas quatro vezes desde que foi revelado pelo Borussia Dortmund, mas as duas últimas aconteceram em um espaço de seis meses. Emprestado pelo Real Madrid ao Liverpool no começo da temporada, o meio-campista agora está de volta ao clube de origem, atual bicampeão da Bundesliga.

A Alemanha, por sinal, é um dos destinos favoritos dos japoneses já há alguns anos. Na trilha de jogadores como Shinji Kagawa, Hiroshi Kiyotake, Atsuto Uchida, Makoto Hasebe e Takashi Inui, o jovem atacante Kosuke Kinoshita se desvinculou do Yokohama FC para jogar no Freiburg. O contigente nipônico na Europa também aumentou com as chegadas de Yuji Ono, do Yokohama Marinos, e de Kensuke Nagai, do Nagoya Grampus, novos reforços do Standard de Liège.

Se o japonês é a língua do momento no vestiário do clube belga, o francês tem incontestável popularidade no Newcastle. A um elenco que já contava com nove jogadores francófonos somam-se agora o zagueiro Mapou Yanga-Mbiwa, campeão francês em 2012 com o Montpellier, o atacante Yoan Gouffran, que venceu a Ligue 1 com o Bordeaux em 2009, o volante do Toulouse e da seleção Moussa Sissoko e o lateral do Nancy Massadio Haidara. O atacante do Olympique de Marselha Loïc Remy também esteve perto de assinar com o alvinegro inglês, mas acabou indo para o Queens Park Rangers e já estufou as redes na estreia.

Remy foi contratado para assumir a vaga de outro ex-Olympique de Marselha, Djibril Cissé, que deixou o time londrino com a missão de fazer gols pelo Al Gharafa, do Catar, destino futebolístico igualmente popular na atualidade e palco da Copa do Mundo da FIFA 2022. Quem também acertou com a equipe foi o brasileiro Nenê, ex-atacante do Paris Saint-Germain, enquanto o conterrâneo Bruno César, meia com três jogos pela Seleção no currículo, escolheu a Arábia Saudita, onde defenderá o Al Ahli de Jedá após duas temporadas no Benfica. O clube português também perdeu o argentino Pablo Aimar, mas para outro Al Ahli, o de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Protagonista do mercado de transferências há alguns anos e da Liga dos Campeões da UEFA nesta temporada, o Málaga voltou a chamar atenção nos últimos dias. Além da juventude de Lucas Piazon, jogador com passagem pela seleção brasileira sub-17 e que chega emprestado após fazer uma única partida com o time principal do Chelsea, o clube espanhol também foi em busca de experiência, acertando com Diego Lugano, capitão do Uruguai semifinalista da Copa do Mundo da FIFA 2010 e campeão da Copa América 2011, mas sem espaço no PSG. Outra novidade no Campeonato Espanhol é o búlgaro Martin Petrov, que vestirá as cores do Espanyol após seis temporadas no futebol inglês com Manchester City e Bolton.

O holandês Wesley Sneijder, por sua vez, deixou para trás os seis anos de experiência na Itália para atuar no Galatasaray, da Turquia. Na bagagem, ele leva títulos das ligas da Holanda com o Ajax, da Espanha com o Real Madrid e da Itália com a Inter de Milão, seu último clube, pelo qual ganhou ainda a Liga dos Campeões da UEFA, a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, a Copa e a Supercopa da Itália. Com malas bem menos fornidas, o meio-campista da seleção francesa Yann M’Vila foi para a Rússia, onde espera rechear a sua sala de troféus defendendo o Rubin Kazan.

Por fim, a última tendência da janela de transferências do inverno europeu tem sido prolongar o prazer de jogar. Foi o que motivou o craque brasileiro Rivaldo a assinar com o São Caetano a poucos meses de completar 41 anos. Assim como o compatriota Júlio César, zagueiro com passagens por Real Madrid, Olympiakos e Benfica, que aos 34 anos fechou contrato com o Toronto após uma temporada no Sporting Kansas City. Com a mesma idade, Eidur Gudjohnsen trocou de clube, mas não de cidade. A mais recente transferência da sua longa carreira, que inclui experiências no PSV, no Chelsea, no Barcelona e no Monaco, levou o islandês do Cercle Bruges para o FC Bruges.

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil – 22:20

Siga o Batom e Futebol no Twitter: @Batom_efutebol

JGalvão

O ano em números

O ano em números

© AFP

Agora que o ano está chegando ao fim, veja uma análise de algumas das estatísticas mais interessantes que marcaram o mundo do futebol em 2012.

900 partidas com o Manchester United foi o marco atingido por Ryan Giggs em fevereiro, 7.666 dias depois da estreia pelo clube em março de 1991. O galês celebrou a ocasião em grande estilo, marcando o gol da vitória nos descontos — algo que nunca tinha feito pelo Manchester United — para definir o placar de 2 a 1 na visita ao Norwich.

310 jogos consecutivos pela Premier League inglesa foi a sequência recorde que chegou ao fim paraBrad Friedel em outubro. A série ininterrupta do jogador de 41 anos, a mais longa na história da liga, transcorrera ao longo de oito anos, começando na temporada 2003/04, com passagens por três clubes.

91 gols foi o número incrível com que Lionel Messi se despediu do ano no dia 22 de dezembro. No início do mês, o camisa 10 do Barcelona superara Gerd Müller, que em 1971 fizera 85 gols. Antes, em março, ainda aos 24 anos, o argentino tornara-se o maior goleador da história do clube, ultrapassando o recorde de 232 gols de César Rodríguez.

82 partidas de seleção sem levar nenhum gol é a contagem com que Iker Casillas terminou o ano, tendo quebrado em maio o recorde anterior de 72 jogos estabelecido por Edwin van der Sar. No mesmo mês, ele conquistou a sua 95º vitória pela Espanha, superando Lilian Thuram, que detinha o recorde anterior pela França.

39 anos de história da Copa das Nações da Oceania haviam resultado, até junho, em apenas dois vencedores: Austrália e Nova Zelândia. Essa dobradinha, que dividira oito títulos igualmente, foi finalmente quebrada quando o Taiti, contra todas as probabilidades, ganhou o prêmio mais cobiçado da Oceania. O selecionado de Eddy Etaeta mereceu o título, terminando o torneio com 20 gols marcados — 14 a mais do que a campeã anterior, a Nova Zelândia. Quinze desses gols foram anotados por integrantes da família Tehau: os irmãos Jonathan, Lorenzo e Alvin, e o primo Teaonui.

31 a 0 em um jogo pela Copa da Romênia em setembro foi o resultado que rendeu ao Buftea, da segunda divisão, o indesejável título de vítima da pior derrota da história do futebol do país. Para tornar as coisas ainda piores, o responsável pela goleada foi o Berceni, uma equipe da terceira divisão.

29 segundos de jogo tinham se passado quando Oribe Peralta abriu o placar na final do Torneio Olímpico de Futebol Masculino com o gol mais rápido já marcado na decisão de um torneio da FIFA. O atacante do Santos Laguna ainda marcou o segundo gol quando faltavam 15 minutos de jogo. Ele também se consagrou como o oitavo jogador a fazer dois gols em uma decisão de medalha de ouro.

23 vitórias e 15 empates foram os resultados que asseguraram à Juventus o primeiro título invicto italiano desde que a Série A passou a ter 20 times. A Juventus também estabeleceu um novo recorde de defesa menos vazada, com apenas 20 gols, quatro a menos do que o Modena em 1946/47, a própria Juve em 2005/06 e o Milan em 2010/11.

16 anos e 98 dias foi a idade com a qual, em agosto, Fabrice Olinga do Málaga foi o jogador mais novo na história do Campeonato Espanhol a balançar as redes. O jovem camaronês, revelado pela Fundação Samuel Eto’o, superou o recorde de 16 anos e 289 dias estabelecido por Iker Muniain em 2009.

16 gols foram marcados pelos EUA a caminho do ouro no Torneio Olímpico de Futebol Feminino, estabelecendo um novo recorde para o evento. A canadense Christine Sinclair também estabeleceu um novo marco: com seis gols em Londres 2012, ela foi a maior artilheira de uma edição do torneio.Christie Rampone, capitã dos EUA, conquistou o ouro pela terceira vez e se tornou a primeira pessoa a ganhar quatro medalhas olímpicas no futebol.

14 jogos, nenhuma derrota e um troféu foi o saldo total dos extraordinários esforços do Corinthians na edição deste ano da Copa Libertadores. O time paulista foi o primeiro em 34 anos a sobreviver com invencibilidade a todo o torneio. Ironicamente, o último campeão invicto havia sido o Boca Juniors, justamente o clube derrotado pelo Timão na final.

8 gols em oito partidas no Estádio de Wembley foi o impressionante recorde com que Didier Drogbadeixou o Chelsea depois de se tornar o primeiro jogador a balançar as redes em quatro finais da Copa da Inglaterra. Além disso, com o tento na vitória por 2 a 1 sobre o Liverpool, o marfinense também se consagrou com gols marcados pelo Chelsea em todas as seis decisões de copas nacionais que disputou. Os londrinos tiveram ainda outro amuleto da sorte em Ashley Cole, que ampliou o seu recorde e chegou a sete títulos da FA Cup.

5 conquistas europeias seguidas foi a sequência que chegou ao fim neste mês na final da Copa do Mundo de Clubes da FIFA. A vitória por 1 a 0 do Corinthians sobre o Chelsea acabou com o domínio do Velho Continente e deu ao Timão o seu segundo título, 12 anos após a primeira edição do torneio. Ela também garantiu que o troféu da Copa do Mundo de Clubes da FIFA viesse pela quarta vez para oBrasil, que é o país de maior êxito na história da competição — São Paulo e Internacional foram os outros vencedores.

4 gols foi o déficit aparentemente insuperável do qual a Suécia se recuperou em outubro para arrancar um empate em Berlim. Em 108 anos de história, a Alemanha nunca tinha deixado de vencer uma partida após abrir quatro gols de vantagem.

4 gols sem resposta contra a Itália em julho deram à Espanha a maior margem de vitória já registrada em uma final de Eurocopa. A seleção espanhola também foi a primeira a ganhar duas edições consecutivas da Euro, isso sem falar na conquista da Copa do Mundo da FIFA intercalada entre os dois troféus continentais. O meia Xavi mais uma vez influenciou muito o selecionado de Vicente del Bosque, preparando a jogada de três dos quatro gols contra os italianos — o maior número de assistências já registrado em uma final do torneio europeu de seleções.

Fonte: http://pt.fifa.com

São Paulo – Brasil – 19:39

Siga o Batom e Futebol no Twitter: @Batom_efutebol

JGalvão