Archive for the ‘Saúde e Qualidade de Vida’ Category

A farmacogenética revoluciona o mundo dos negócios

Image result for Farmacogenetica

Eli Lilly acerta a compra da rival Loxo Oncology por US$ 8 bilhões – Jornalistas: James Fontanella-Khan e Eric Platt, do Financial Times, de Nova York 08/01/19

O laboratório farmacêutico americano Eli Lilly acertou a compra da rival Loxo Oncology, de menor escala, por US$ 8 bilhões, em mais um negócio na onda de fusões do setor vista nos últimos meses. A transação vai aumentar sua carteira de produtos contra o câncer.

Pelas condições do acordo, os acionistas da Loxo vão receber US$ 235 por ação, 68% a mais do que o preço de fechamento dos papéis em 4 de janeiro, refletindo o alto valor sendo pago pelas empresas do setor de oncologia.

Os grandes laboratórios farmacêuticos entraram em uma onda de fusões nos últimos meses em busca de mais medicamentos contra o câncer, já que buscam reforçar suas linhas de produtos em desenvolvimento antes de perder a proteção de patente de uma série de remédios de altas vendas para tratamentos da doença.

Na semana passada, a Bristol-Myers Squibb acertou a compra da empresa de biotecnologia Celgene, que tem uma grande carteira de drogas contra o câncer, por US$ 90 bilhões. A GlaxoSmithKline, por sua vez, comprou a Tesoro, também com foco na oncologia, por US$ 5,1 bilhões.

A Eli Lilly está empenhada em ampliar sua linha de produtos em desenvolvimento contra o câncer. A Loxo tem foco em medicamentos para pacientes com cânceres definidos genomicamente.

“Usar medicamentos personalizados para atacar tumores-chave proporciona uma abordagem cada vez mais forte para o tratamento do câncer”, disse Daniel Skovronsky, diretor científico da Eli Lilly.

“O portfólio da Loxo Oncology de […] inibidores direcionados especificamente para os pacientes com mutações ou fusões nesses genes, em combinação com diagnósticos avançados que permitem saber exatamente que pacientes podem se beneficiar, cria novas oportunidades para melhorar as vidas das pessoas com cânceres avançados”, acrescentou.

O negócio foi anunciado antes da conferência JPMorgan Healthcare, em San Francisco, encontro do setor onde muitos negócios são promovidos no início de cada ano.

O Deutsche Bank foi o assessor financeiro único da Eli Lilly, que teve como consultor jurídico a Weil, Gotshal & Manges. O Goldman Sachs e a banca de advocacia Fenwick & West trabalharam para a Loxo.

 

Matéria originalmente publicada por: Fonte: https://www.valor.com.br

São Paulo – Brasil – 11:00

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

 

Anúncios

Testes genéticos preveem a reação de cada pessoa a medicamentos

A medicina personalizada está chegando sem fazer alarde e com resultados mais rápidos e eficazes.

 (Getty Images/Reprodução)

 

Muitas vezes, ao sair de uma consulta médica com uma receita na mão, você se pergunta: “Será que são o remédio certo e a dose adequada para mim?”. Pois já é possível saber antes de tomar o primeiro comprimido – e com mais exatidão do que pelos métodos usuais, que se baseiam em dados estatísticos de grandes estudos e na experiência do médico.

A resposta está nos genes. São eles que coordenam a produção de enzimas necessárias para quebrar os fármacos. Dependendo das particularidades individuais, a mesma dose de determinada medicação, que não funciona para alguns, pode levar outros ao hospital.

farmacogenômica, ou farmacogenéticaidentifica as características genéticas para prever a reação da pessoa ao medicamento. Mostra de antemão quem corre o risco de apresentar efeitos adversos graves a fim de reduzir sua incidência e conseguir maior adesão ao tratamento. “A medicina de precisão é uma oportunidade de tornar os tratamentos mais individualizados e propensos a produzir bom resultado”, disse o geneticista Francis Collins, diretor dos prestigiados Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, para a rede de televisão CBS.

A principal ferramenta da medicina sob medida são os testes genéticos. “Eles permitem que se descubra o medicamento adequado em tempo mais rápido, com maior eficiência, mais segurança e menor custo”, esclarece Guido Boabaid May, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e fundador de uma startup dedicada à realização de testes para doenças da mente. É o caso da depressão, que atinge mais de 300 milhões de pessoas no mundo e já constitui a maior causa de incapacidade física e mental.

Graças às informações fornecidas por esses testes, houve aumento de 50% na taxa de remissão de sintomas psiquiátricos entre pacientes que antes não respondiam à medicação – de acordo com um dos maiores e mais controlados estudos sobre a aplicação desses testes em pacientes com doenças mentais, apresentado em maio no Congresso da Associação Americana de Psiquiatria. Além disso, os resultados apareceram mais depressa.

Segundo May, pelo método tradicional, os médicos precisam esperar de três a seis semanas para observar se um antidepressivo está provocando boa resposta – ou até 12 semanas se for uma combinação de fármacos. O estudo, realizado sob a coordenação dos médicos Sagar Parikh e John Greden, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, acompanhou 1 167 voluntários recrutados em 20 centros médicos.

Embora a bagagem genética seja um dos fatores que influenciam a resposta ao medicamento – além de idade, estado nutricional, condição de saúde e ambiente, que podem ser avaliados na consulta –, durante muito tempo ela permaneceu inacessível. O termo farmacogenética foi cunhado em 1959.

O campo, porém, só se desenvolveu a partir dos anos 1980, especialmente depois de 2000, com a divulgação das conclusões do Projeto Genoma Humano, consórcio internacional que consumiu uma década de pesquisas e investimentos monumentais para mapear os 30 mil genes do DNA humano.

Planos de combate no DNA

Os testes genéticos procuram marcadores no DNA, os chamados poliformismos de base única, locais onde ocorrem variações que indicam como a pessoa reagirá a um fármaco: se terá uma resposta benéfica (a desejada), neutra (o remédio não fará efeito) ou desfavorável (haverá muitos efeitos colaterais).

Essa informação facilita a escolha do medicamento e o ajuste da dose. O uso mais consagrado é para determinar a indicação do anticoagulante oral varfarina na prevenção e tratamento da trombose, formação de coágulos nas veias.

Como a dose terapêutica é próxima da dose tóxica, capaz de ocasionar hemorragias graves, durante anos foi o segundo medicamento a provocar mais idas ao pronto-socorro nos Estados Unidos. O quadro mudou com a análise de variações nos genes CYP2C9 e VKORC1. “Ela ajuda a estabelecer a dose de maior eficácia e menor risco de hemorragia”, explica Guilherme Suarez Kurtz, professor de farmacologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O teste também está bem documentado para a codeína, analgésico potente da família dos opioides, destinado ao alívio de dores moderadas. Cerca de 10% da população apresenta uma variação no gene CYP2D6 que torna a metabolização do remédio mais lenta, impedindo que produza o alívio desejado. Já outros 30% o metabolizam de maneira tão rápida que até doses baixas podem ter efeitos tóxicos, como confusão mental e sonolência extrema.

Outro teste avalia a possibilidade de a sinvastatina, medicação mais empregada para controle do colesterol, causar dores ou desgaste nos músculos. Conforme o resultado, recomenda-se dose menor ou outra estatina. Pacientes HIV positivos também podem se beneficiar. Devido a uma variação genética específica, de 5% a 10% deles estão predispostos a uma reação de intolerância tão forte ao antirretroviral abacavir, integrante do coquetel contra a aids, que os obriga a suspender o uso.

Na Austrália, é obrigatório realizar o teste antes de prescrever o abacavir, avisa Kurtz. “Essa informação pode ser decisiva para obter uma resposta terapêutica excepcional.” Os testes são úteis, ainda, para quem vai tomar o anticonvulsivante carbamazepina, droga mais receitada contra epilepsia. Em portadores de certa variação genética, ela pode induzir a reações cutâneas gravíssimas, com formação de úlceras capazes de infectar e até provocar a morte.

Na oncologia, testes genéticos ajudam a traçar o plano de combate ao câncer. Nesse caso, o que se examina não são as características herdadas dos familiares, mas os genes do próprio tumor para estimar sua sensibilidade aos medicamentos e escolher alvos específicos. O pioneiro desses agentes é o trastuzumabe, anticorpo que ataca uma proteína produzida pelo gene Her2 positivo, presente entre 20% e 25% dos tumores de mama e responsável por uma das formas mais agressivas da doença.

Já o imatinibe é recomendado para tratar leucemia e outros tipos de câncer quando se encontram mutações nas células malignas sugestivas de sensibilidade à droga. Esses medicamentos surtem efeito apenas para as pessoas que se encaixam nesses perfis.

Enquanto em áreas como o câncer alguns testes já estão incorporados na rotina de cuidados do paciente, em outras a implantação acontece em ritmo mais lento do que o esperado em decorrência de quatro obstáculos, apontados por Guilherme Kurtz:

• Custo. São caros – em média 4 mil reais nos serviços privados –, e a maioria dos planos de saúde não os reembolsa. A tendência é que o preço caia à medida que forem se difundindo.
• Resistência do profissional. É necessário convencer o médico de que essa ferramenta é segura e substitui o método tradicional de tentativa e erro.
• Falta de evidência de utilidade clínica. Uma coisa é mostrar que uma variação genética está associada a um fármaco. Outra é provar a utilidade dessa informação. Tem de estar documentado, por meio de pesquisas científicas, que a variação é frequente e decisiva para o tratamento.
• Ausência de diretrizes sobre como interpretar os resultados e fazer a prescrição. Algumas iniciativas procuram suprir essa lacuna.

O https://www.pharmgkb.org/ é um banco de dados público, ligado aos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, que divulga informações sobre 65 farmacogenes envolvidos na resposta a várias drogas. Já o Clinical Pharmacogenetics Implementation Consortium, consórcio internacional baseado nos Estados Unidos desde 2009, disponibiliza 35 diretrizes sobre remédios para diversas doenças. Na Holanda, o Dutch Pharmacogenetics Working Group, fundado em 2005, realiza trabalho semelhante.

Bagagem brasileira

Duas áreas em que as aplicações têm crescido, inclusive no Brasil, são a neurologia e a psiquiatria. Os testes realizados na startup criada por Guido May sequenciam 26 genes à procura de 506 variantes para 79 medicamentos contra depressão, transtorno bipolar, ansiedade, insônia, fibromialgia, epilepsia, Alzheimer e Parkinson entre outras doenças.

“O gene MTHFR é responsável pela codificação de uma enzima do fígado, de mesmo nome, que converte o ácido fólico da dieta na sua forma ativa, o metilfolato, para ser utilizado pelo organismo”, exemplifica May. “O ácido fólico é precursor de três neurotransmissores: serotonina, dopamina e norepinefrina. Uma variante nesse gene reduz a atividade dessa enzima, o que afeta a produção desses mensageiros químicos relacionados ao humor. A pessoa com essa característica pode necessitar de suplementação com metilfolato para responder melhor ao tratamento.”

A Rede Nacional de Farmacogenética (Refargen) reúne desde 2003 pesquisadores do Brasil inteiro empenhados em investigar e desenvolver terapêuticas individualizadas mais eficazes e menos tóxicas para nossa população. “Algumas variações genéticas são comuns em povos europeus, africanos ou ameríndios. A extrapolação desses dados não é apropriada aos brasileiros porque somos heterogêneos e miscigenados.

Precisamos testar a frequência dessas variações em pessoas de diversas regiões para determinar se o teste pode ser útil aqui”, explica Kurtz, que coordena a Refargen. Por exemplo, uma delas, associada a reações cutâneas graves à carbamazepina, é bastante comum no Sudoeste da Ásia, mas pouco prevalente no Brasil. “Conhecendo bem as características da população, podemos escolher que testes devemos implementar.”

Para Kurtz, mais interessante do que fazer apenas testes voltados para medicamentos específicos, seria traçar um painel genético individual cobrindo diversos genes, que valeria para a vida inteira. As informações ficariam guardadas no nosso prontuário médico eletrônico para serem consultadas sempre que necessário. Talvez esse seja o próximo passo da medicina personalizada.

 

Matéria originalmente publicada por: Fonte:   https://claudia.abril.com.br

São Paulo – Brasil – 08:50

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Massagem facial: os benefícios e técnicas que estão fazendo sucesso

Cuidar da pele sem precisar de produtos mirabolantes ou tratamentos invasivos é uma das vantagens da aplicação dos toques na face.

Você já imaginou eliminar o inchaço facial, deixar a pele com a aparência renovada e relaxar os músculos do rosto sem precisar gastar fortunas com tratamentos estéticos e produtos de skincare? Os métodos de massagem facial estão ganhando cada vez mais espaço no mundo da beleza e prometem ótimos resultados de maneira natural.

Apesar do recente sucesso em países ocidentais, massagear a face é um passo conhecido da rotina de beleza em culturas asiáticas há vários anos. Não à toa, algumas dessas técnicas estão entre as mais praticadas atualmente. Além dos toques com as mãos, também está em alta o uso de ferramentas, como rolos e cristais, para aplicar os movimentos e potencializá-los.

 (itakayuki/Thinkstock)

 

Massagem facial e seus benefícios

As vantagens para a pele são muitas: desintoxicar, estimular a região, relaxar os músculos, diminuir o inchaço, aparência mais tonificada e até a suavização das linhas de expressão. Para a cosmetóloga e esteticista Roseli Siqueira, que é uma grande adepta da técnica em seus tratamentos, a massagem garante uma derme mais saudável: “Não podemos esquecer que a pele é o maior órgão do corpo humano e está exposta à tudo que acontece no ambiente. Ou seja, ela recebe diretamente o estresse, poluição, cansaço e outros fatores que vão deixando-a sobrecarregada, com aparência acinzentada e flácida. Massageá-la relaxa sua parte sensorial, ajuda a eliminar toxinas e a cuidar da saúde do rosto”.

A massagem pode aparecer na rotina de beleza em diferentes momentos, seja pela manhã ou à noite, e a ideia é incluí-la algumas vezes na semana na hora de se cuidar. Além dos benefícios diretos que os movimentos têm sobre a face, o momento de massagear-se também cria uma conexão com a pele e pode ser aquela chance de tirar um tempo para si, que, muitas vezes com a rotina corrida, não acontece com frequência. “Aproveite esse passo para gerar um ambiente de carinho com o rosto” completa Roseli.

Os instrumentos da vez

O toque com os dedos pode ser complementado também com ferramentas especializadas para massagem e, atualmente, os rolos e cristais são alguns do mais populares. “Os instrumentos ajudam a acalmar a pele, diminuir o inchaço e a melhorar a circulação. Pensando nas pedras, ainda há a função energética de cada uma delas, que também pode trazer benefícios”, explica a esteticista e cosmetóloga Roseli Siqueira. Para a região dos olhos, por exemplo, massagear levemente as pálpebras com o rolinho indo de dentro para fora em direção às têmporas ajuda a diminuir o inchaço típico do local.

Porém, nem todas as ferramentas são benéficas para a pele e Roseli Siqueira faz um alerta: “Versões que funcionam como uma ventosa sobre a face ou que emitem correntes elétricas podem acabar tendo o efeito contrário e causar até flacidez”. Por isso, antes de incluir um instrumento de massagem na sua rotina de cuidados, sempre pergunte ao dermatologista a maneira correta de utilizá-lo e se ele trará benefícios à sua pele.

 (karelnoppe/Thinkstock)

 

As técnicas que estão fazendo sucesso

Relaxante

Estimular a pele com movimentos suaves vai deixá-la relaxada e ainda ajuda a eliminar as toxinas que estão presentes nela. Para começar, a dica é colocar algumas gotas de óleo facial nas mãos e esfregar uma na outra para aquecer o produto. Em seguida, toque o rosto espalhando o cosmético pela face e comece a pressionar alguns pontos na maçã do rosto, bochecha, queixo e nariz.

Na testa, deslize os dedos em movimentos de baixo para cima até o início do couro cabeludo. Vá deslizando por toda a face sempre pressionando de fora para dentro. Não esqueça de massagear também o pescoço e a nuca, pois relaxar os músculos dessas áreas ajuda a deixá-los mais soltos e alongados, influenciando na aparência da face. Ao finalizar, lave o rosto com um sabonete indicado para o seu tipo de pele para retirar o excesso de produto.

Drenagem

Usada para diminuir o inchaço e o acúmulo de líquidos na face, os movimentos precisam ser feitos com uma leve pressão em pontos específicos do rosto e pescoço, onde os gânglios linfáticos ficam localizados. Assim, a excreção será estimulada e ajudará na desintoxicação facial.

Comece higienizando a face e aplicando um creme ou óleo facial. Depois, vá tocando as saboneteiras e, em seguida, aperte suavemente a lateral do pescoço. Deslize os dedos a partir do centro do queixo em direção às orelhas e pressione também toda a lateral do rosto até a testa. Faça o mesmo movimento de dentro para a fora e de pressão e descompressão nas pálpebras superiores e inferiores. Para finalizar, pressione a parte de trás dos lóbulos da orelha por alguns instantes. Em média, cada movimento deve demorar cerca de dois minutos.

Gua Sha

Famosa por usar uma placa de cristal como instrumento de massagem, a técnica é inspirada na tradicional medicina chinesa e ajuda a relaxar os músculos faciais e na drenagem linfática. Para colocá-la em prática, é necessário aplicar um produto hidratante para facilitar o deslizamento da pedra e fazer movimentos de dentro para fora e de baixo para cima pelo rosto e seu contorno. Enquanto massageia, foque um pouco mais de pressão nas extremidades da face, pois é onde acumulamos grande parte da tensão. 

Kobido

Originada no Japão e conhecida por fazer parte da rotina de beleza da família imperial, essa técnica aplica uma massagem vigorosa pela face com o intuito de combater a flacidez facial e fazer um lifting natural no rosto.

Com movimentos mais rápidos do que o método relaxante, a Kobido usa os dedos em ações repetidas pelo contorno do rosto, linhas de expressão e trabalhando os músculos, sempre seguindo o sentido de baixo para cima e de dentro para fora. Na hora de aplicá-la, o pescoço, bochechas, têmporas, testa, buço e queixo devem ser ativados.

 

Matéria originalmente publicada por:     https://mdemulher.abril.com.br

São Paulo – Brasil – 22:31

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Álcool mata mais de três milhões de pessoas por ano, diz OMS

Relatório da Organização Mundial da Saúde revela que o consumo de bebidas alcoólicas é responsável por um em cada 20 óbitos em todo o mundo – matando mais do que a aids, a violência e acidentes de trânsito juntos.

Pessoa consumindo bebida alcoólicaO consumo de álcool está associado a mais de 200 problemas de saúde e deixa as pessoas mais vulneráveis a doenças

Um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na última sexta feira (21/09) revelou que o consumo de bebidas alcoólicas matou mais de três milhões de pessoas em 2016 – mais do que o total de vítimas da aids, violência e acidentes de trânsito juntos.

O estudo afirma que o álcool é responsável por cerca de uma em cada 20 mortes em todo o mundo, incluindo os acidentes causados por motoristas embriagados, violência e abusos induzidos pelo álcool, além de uma ampla variedade de doenças. Mais de três quartos das vítimas são homens.

As mais de 3 milhões de mortes relacionadas ao consumo da substância registradas em 2016 – as estatísticas mais recentes disponíveis – correspondem a 5,3% de todos os óbitos naquele ano.

“Um número demasiadamente grande de pessoas, famílias e comunidades sofre as consequências do uso nocivo do álcool através da violência, lesões, problemas de saúde mental e doenças como câncer e derrames”, disse em comunicado o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O consumo de álcool está associado a mais de 200 problemas de saúde, como a cirrose hepática, e deixa as pessoas mais vulneráveis a doenças como a tuberculose, aids e pneumonia, afirma o relatório.

Quanto aos jovens, os números são ainda mais alarmantes. Segundo a OMS, 13,5% de todas as mortes de pessoas de idade entre 20 a 29 anos em 2016 têm relação com o consumo de álcool. A título de comparação, a aids é responsável por 1,8% das mortes em todo o mundo; os acidentes de trânsito, por 2,5%; e a violência, por 0,8% dos óbitos.

Apesar de alarmantes, os números ainda são menores do que os registrados no relatório anterior da OMS, divulgado em 2014. A agência afirma que há algumas tendências positivas, como a redução da ocorrência de mortes relacionadas ao álcool e ao consumo esporádico da substância desde 2010.

A OMS adverte, porém, que o grande número de “doenças e lesões causadas pelo consumo nocivo do álcool é inaceitavelmente alto”, especialmente na Europa e nas Américas. Estima-se que, em todo o mundo, 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres sofram de males provocados pelo consumo de álcool.

Na Europa, o problema atinge quase 15% dos homens e 3,5% das mulheres e, nas Américas, 11,5% dos homens e 5,1% das mulheres são afetados. Por outro lado, mais da metade da população com mais de 15 anos de idade se abstém completamente das bebidas alcoólicas.

Em média, os 2,3 bilhões de indivíduos considerados consumidores de álcool – aqueles que consumiram bebidas ao menos uma vez durante o ano – ingeriram 33 gramas diárias da substância pura, o que equivale, a grosso modo, a dois copos de vinho, uma garrafa de cerveja ou duas doses de destilados.

A Europa ainda é o maior consumidor per capita, com 10 ou mais litros de álcool puro consumidos anualmente, apesar de uma queda de mais de 10% registrada desde 2010. A OMS alertou, porém, que em outras regiões o consumo tende a aumentar. Isso ocorre especialmente na Ásia, com a China e a Índia registrando os números mais acentuados.

A OMS pede aos países que aumentem os impostos sobre as bebidas alcoólicas e proíbam as propagandas do produto, especialmente em eventos esportivos, como forma de coibir o consumo.

 

Matéria originalmente publicada por:    https://www.dw.com/pt-br

São Paulo – Brasil – 23:53

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Risco de danos cerebrais por cabecear bolas de futebol é cinco vezes maior nas mulheres

O estudo sugere medidas específicas para cada sexo para evitar lesões na cabeça causadas pelo futebol.

Risco de danos cerebrais por cabecear bolas de futebol é cinco vezes maior nas mulheresPortugal – França: Eugenie Le Sommer disputa a bola com Carole Francisco Leong

Os danos cerebrais provocados por cabecear uma bola de futebol podem ser cinco vezes mais extensos em mulheres do que em homens, segundo um estudo publicado na última terça-feira, feito com base em quase 100 jogadores amadores.

O estudo, publicado na revista ‘Radiology’, sugere que medidas específicas para cada sexo podem ser necessárias para evitar lesões na cabeça causadas pelo futebol.

“Há muito que os investigadores e clínicos descobriram que as mulheres se sentem piores depois de uma lesão na cabeça que os homens, mas alguns diziam que isso só acontecia porque as mulheres estão mais dispostas a relatar os sintomas”, disse o autor principal do estudo, Michael Lipton, professor de radiologia, psiquiatria e ciências comportamentais no Albert Einstein College of Medicine, dos Estados Unidos da América.

“Com base no nosso estudo, que mediu mudanças objetivas no tecido cerebral em vez de sintomas auto-relatados, as mulheres parecem mais propensas que os homens a sofrerem traumatismo cerebral por cabecear bolas de futebol”, acrescentou.

Para o estudo, 49 jogadores e 49 jogadoras foram submetidos a uma forma de ressonância magnética chamada imagens por tensor de difusão (DTI), que analisa a saúde da substância branca do cérebro, observando o equilíbrio da água no tecido.

A idade dos jogadores variava de 18 a 50 anos, e ambos os grupos reportaram um número similar de cabeçadas no ano anterior. Os homens relataram uma média de 487, e as mulheres, 469.

Os exames mostraram que “o volume de substância branca danificada em mulheres jogadoras de futebol era cinco vezes maior do que nos jogadores homens”, segundo o estudo.

As mulheres tinham oito regiões do cérebro onde a substância branca – que envolve a comunicação entre diferentes partes do cérebro – tinha sido afetada, em comparação com três nos homens.

Os investigadores disseram que as mudanças no cérebro eram “subclínicas”, o que significa que os jogadores não relataram nenhuma habilidade de pensamento alterada.

Mas as mudanças continuam a ser uma preocupação, porque podem ser precursoras de lesões e danos cerebrais futuros, incluindo declínio cognitivo e mudanças comportamentais.

“Antes que uma disfunção séria ocorra, é sensato identificar os fatores de risco para lesão cerebral cumulativa – como cabecear uma bola, no caso das mulheres – para que as pessoas possam agir para evitar maiores danos e maximizar a recuperação”, disse Lipton.

O estudo não forneceu razões formais para as diferenças, mas alguns especialistas sugerem que a força do pescoço, as hormônios sexuais ou a genética poderiam ser os motivos.

 

Matéria originalmente publicada por:     https://desporto.sapo.pt

São Paulo – Brasil – 07:00

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Uma breve história do sono – e da insônia

 (AnnaRise/iStock)

 

As horas passam e o corpo exausto rola na cama. Os olhos estão fechados, mas o cérebro continua em atividade alucinante. O silêncio é interrompido por rangidos, latidos, miados. Todo mundo parece dormir, menos você. Na verdade, um terço da humanidade está na mesma situação e passa a noite em claro. A ansiedade, uma eventual má digestão e até a cama desconfortável costumam levar à insônia. Mas, quando a dificuldade aparece quase toda noite, a causa pode estar em moléculas recém-encontradas no cérebro. São as oleamidas hidrolases que, ao pé da letra, cortam a vontade de dormir.

Essa é, ao menos, a suspeita de cientistas do Instituto Scripps, na Califórnia, Estados Unidos, chefiados pelo químico Dale Boger. Em 1994, eles identificaram uma proteína cerebral, a oleamida, que causaria o sono. “Ela aparecia em grande quantidade em gatos mantidos acordados por 22 horas”, explica Boger em entrevista à SUPER. “A oleamida provoca a sensação de que estamos despencando de cansaço”, diz ele, que já a identificou em seres humanos. Para o neurologista Rubens Reimão, do Hospital das Clínicas de São Paulo, a oleamida não é assim tão boa de cama: “O sono é fundamental para o organismo e, por segurança, a natureza deve ter criado várias substâncias para detoná-lo”, opina. “A oleamida provavelmente é apenas uma delas.”

Mesmo se a oleamida sozinha não fizer ninguém adormecer, a descoberta mais recente do pessoal do Instituto Scripps continuará sendo de arregalar os olhos. Há dois meses, eles encontraram uma segunda molécula cerebral de efeito oposto à do sono. Trata-se da oleamida hidrolase, capaz de quebrar em pedacinhos as oleamidas do repouso. “Quando restam poucas delas inteiras, a gente acorda”, conta Boger. O químico desconfia que muita hidrolase no cérebro significa grande dificuldade para dormir.

Sem chegar a dormir pesado

Em todo o mundo, um em cada cinco indivíduos usa com freqüência algum medicamento para adormecer. Depois de atravessar a noite sob sedação, essa gente passa o dia como um andróide mal programado. É a síndrome pós-sedativo, causada por uma noite ruim. Sim, porque dormir bem é seguir um script muito definido.

Nas fases 1, 2, 3 e 4, o sono se aprofunda cada vez mais. O auge do relaxamento físico acontece na última etapa, a fase REM (sigla para movimento rápido dos olhos, em inglês), que também é rotulada de sono paradoxal. Pois, enquanto o corpo descansa, o cérebro funciona a pleno vapor.

Depois de sonhar um pouco, as células cerebrais dão um tempo na fantasia. Interrompem a fase REM e voltam para as fases 4, 3 e 2 respectivamente. Então recomeça o ciclo até entrar em outra fase REM. O processo se repete três a seis vezes por noite. “Algumas substâncias como o álcool e os calmantes acabam criando uma espécie de sono artificial”, explica Rubens Reimão. “A pessoa sente a ilusão de ter dormido um sono pesado, mas seu cérebro não chegou às fases restauradoras do corpo e da mente, que são a 4 e a REM.” O resultado é que ela acorda péssima.

Todo barulho desperta e a gente não nota

Quando o corpo não experimenta as fases do sono plenamente, acaba acordando fraco. “Isso ocorre cada vez mais”, diz Fernando Pimentel de Souza, da Universidade Federal de Minas Gerais, que mostrou um estudo no 9º Simpósio sobre Distúrbios do Sono, há dois meses, em São Paulo. Ele comparou dois hospitais, um no barulhento centro de Belo Horizonte e outro em um subúrbio silencioso. Os pacientes do hospital central se recuperaram mais devagar. “Buzinas e motores sempre despertam”, diz Souza. “Mas só nota quem fica acordado mais do que 1 segundo. Menos do que isso, não se percebe que o sono foi interrompido várias vezes.”

Essas noites maldormidas e a insônia são os maiores males na cama hoje. Para quem fica em claro, a equipe do Instituto Scripps, nos Estados Unidos, testou uma substância, o composto 6, que serve de isca para as hidrolases da insônia. Ela induz um sono natural e restaurador. Se todos os testes comprovarem sua eficácia, o composto 6 poderá se transformar em um remédio muito mais eficiente do que os sedativos que andam por aí.

A História nos braços de Morfeu

Século 5 a.C.
Hipócrates (460 a.C.-377 a.C.), considerado o pai da Medicina, observa que estados de tristeza e depressão costumam levar à insônia. Hoje se sabe que, de fato, existe uma nítida relação entre estados depressivos e insônia.

Século 4 a.C.
O filósofo grego Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.) reconhece que o sono é uma necessidade vital. Só errou ao achar que ele era provocado pelo coração, e não pelo cérebro.

Século 1 a.C.
Os gregos passam a usar a traqueotomia, um furo na traquéia, para tratar a apnéia, a parada respiratória em pleno sono. A medida era um tanto severa, mas é impressionante notar que eles já percebiam a gravidade do problema.

Século 17
Surgem as roupas feitas exclusivamente para dormir. Mas as camisolas eram encontradas apenas nos armários dos nobres. A população em geral dormia como no passado – nua, com uma touca para proteger a cabeça.

Século 18
Em 1729, o biólogo francês Jean-Jacques D’Ortous explica que o organismo de todos os seres trabalha em ciclos que se repetem. Ou seja, todos necessitam intercalar períodos de atividade e repouso.

Século 19
Em 1881, o médico francês Jean-Baptiste Gélineau descreve a narcolepsia, doença que faz o corpo “desligar” e leva à crises agudas de sono ao longo do dia.
Enquanto isso, as camisolas se popularizam e, para serem diferentes, os ricos têm uma idéia da China: dormir de pijamas.

Década de 20
O médico alemão Hans Berger inventa o eletroencefalograma em 1929, exame que mostra a atividade cerebral. Com isso, prova que as ondas nervosas jamais cessam. O cérebro não “apaga” nem durante o sono.

Década de 50
Em 1953, o estudante de Medicina americano Eugene Aserinsky e seu professor de fisiologia, Nathaniel Kleitman, descobrem o estágio REM.

Ainda nos anos 50
Em 1956, no filme Baby Doll, de Elia Kazan, a atriz americana Carrol Baker representa a mocinha que, na hora de ir para a cama, aparece com uma minicamisola e calções curtos. Surgia mais um traje para dormir.

Década de 60
Em 1965, o fisiologista francês Henri Gastaut descobre a apnéia, a perigosa parada respiratória durante o sono, que pode ser fatal e, antes, era considerada apenas um ruidoso caso de ronco.

 

 

Matéria originalmente publicada por:   https://super.abril.com.br

São Paulo – Brasil – 19:14

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Diabetes: veja frutas com alto índice glicêmico

Resultado de imagem para manga fruta

Quando o assunto é alimentação de quem tem diabetes, as frutas são um tópico delicado. Isso porque elas são ricas em carboidratos e algumas delas podem causar picos glicêmicos, o que não é interessante para quem tem diabetes. “Quanto mais rápida a absorção da glicose, mais rapidamente o corpo produz insulina”, explica o nutrólogo Roberto Navarro. Isso é ruim, pois diabéticos normalmente tem deficiência na produção de insulina (no caso de quem tem diabetes tipo 2) ou simplesmente não a possuem no organismo (diabetes tipo 1).

Mas como saber se uma fruta tem seu carboidrato absorvido de forma rápida ou lenta? Existe uma medida chamada índice glicêmico, que mensura justamente isso! “Esse índice é baseado na velocidade de absorção da glicose pelo corpo. Para isso pegam o pão branco ou glicose como referência, e compararam a resposta dos outros alimentos com ele”, explica a nutricionista Fernanda Castelo Branco, da ADJ Brasil Diabetes.

Para Fernanda, essa não é a única medida que deve ser levada em conta, já que a quantidade de carboidrato do alimento também é essencial para contabilizar o tamanho da alteração da glicose após a refeição. Isso vale inclusive para as frutas. “A melancia, por exemplo, tem o índice glicêmico alto, mas a quantidade de carboidratos não é grande o suficiente para trazer um pico glicêmico, se você consumir apenas uma porção”, explica a especialista.

Preciso evitar frutas com índice glicêmico alto?

Não é necessário abdicar das frutas, só porque o índice glicêmico é alto. “Deve-se levar em conta não só o índice glicêmico de um alimento, mas também da refeição como um todo”, explica o nutrólogo Navarro. Isso porque fibras, proteínas e gorduras na mesma refeição ajudam a reduzir a absorção dos carboidratos. No caso dos macronutrientes, isso ocorre devido a competição dentro do intestino. “Já as fibras causam uma barreira física que retarda a assimilação da glicose”, explica o especialista.

  • Acrescente fibras: é possível fazer isso adicionando um farelo, uma granola ou grãos como chia, aveia e linhaça
  • Na mesma refeição, consuma uma oleaginosa, como as castanhas, amêndoas, ou macadâmias
  • Use a fruta para fazer uma vitamina com leite ou iogurte
  • Se for um lanche, coma a fruta junto com algum sanduíche com queijo ou outra fonte de proteína.

Frutas de alto índice glicêmico

Entre as frutas com alto índice glicêmico encontramos:

Banana: A banana é a fruta com maior índice glicêmico de todas. Claro que essa quantidade varia de acordo com o tipo. O ideal é consumi-la com alguma fibra, como indicado acima, ou usá-la como um alimento pré-treino. “A banana é uma excelente forma de repor energia”, frisa Fernanda.

Manga, mamão, caqui e ameixa preta: Essas frutas têm índice glicêmico alto, no entanto sua carga glicêmica é moderada. Ou seja, uma porção de qualquer uma dessas frutas (o que equivale a uma unidade média ou uma xícara de chá picada) pode ser consumida, desde que acompanhada de alguma fibra.

Melancia: A melancia, apesar de ter um índice glicêmico alto devido a sua alta quantidade de água, tem uma carga glicêmica baixinha, já que a quantidade de carboidrato em uma fatia é pequena. Por isso mesmo, apesar dessa medida alta, ela não interfere de forma significativa na glicemia pós-prandial, e pode ser consumida.

 

 

Matéria originalmente publicada por:   http://www.minhavida.com.br

São Paulo – Brasil – 00:22

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão