Archive for the ‘Seleção Brasileira’ Category

‘Dois ou três passes mágicos não são suficientes’: imprensa alemã critica Coutinho no Bayern

Diário Bild pediu mais intensidade e mais participação ao longo da partida para o craque brasileiro.

Dois ou três passes mágicos não são suficientes imprensa alemã critica Coutinho no Bayern

Philippe Coutinho vem roubando a cena com a camisa do Bayern de Munique. O meia parece ter recuperado ao menos parte do futebol exibido no Liverpool, mas que ficou escondido durante sua passagem no Barcelona. Porém, mesmo com toda a melhora, o craque ainda não caiu totalmente nas graças da imprensa alemã, que pede mais participação do nome da Seleção Brasileira.

O diário Bild publicou após a derrota do Bayern por 2 a 1 para o Hoffenhein que ‘não bastam dois ou três passes mágicos’ por partida e que Coutinho precisa aparecer com mais frequência e mais intensidade ao longo da partida para que ganhe notoriedade e ainda mais importância dentro do duelo.

Coutinho mostra oscilação em algumas partidas da Bundesliga, mas tem um rendimento de acerto de passes bastante alto, que chega aos 80%. De acordo com a publicação alemã, Coutinho participa da partida 57 vezes. A partida em que mais tocou na bola foi diante do Estrela Vermelha, na Champions League, com 106 participações.

 

Matéria originalmente publicada por:  https://www.foxsports.com.br

São Paulo – Brasil – 14:15

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

 

 

Futebol feminino: Brasil encara Argentina na estreia de Pia; como assistir

Pia Sundhage, treinadora da seleção brasileira de futebol feminino, durante sessão de treinamento no Estádio do Pacaembu

Pia (à esq.) comandou treino na véspera, no Pacaembu (Charles Sholl/Folhapress)

 

Sob nova direção, a seleção brasileira feminina enfrenta a Argentina nesta quinta-feira, 29, a partir das 21h30 (de Brasília), no Pacaembu, em São Paulo. O clássico, válido pelo torneio amistoso Uber Internacional, marca a estreia da técnica sueca Pia Sundhage pelo Brasil, que não terá a meia Marta, cortada por lesão. O jogo será transmitido em TV aberta, pela Cultura, e fechada, pelo SporTV. 

Na véspera, a bem-humorada Pia Sundhage enalteceu suas jogadoras e fez uma promessa: falará português em breve – ela também ensinou a pronúncia de seu sobrenome, algo como “Sandhág”. “As jogadoras brasileiras são as melhores do mundo no um contra um, mas também é preciso orientação tática, especialmente para jogadoras de meio-campo, que conduzem e observam tudo”, disse a sueca.

“No momento, fico mais confortável em falar inglês, mas prometo que vou falar em português com vocês em breve. Existe uma linguagem dentro do campo de jogo, como ‘sobe, sobe’ para a marcação. Assim, vou me comunicar com as jogadoras do jeito correto. A maioria delas entende inglês e eu tenho uma comissão técnica muito preparada. Acho que vai funcionar bem”, explicou.

Matéria originalmente publicada por:  https://veja.abril.com.br

São Paulo – Brasil – 16:57

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – Pia Sunhage inicia trabalho na seleção feminina com corte da volante Thaisa

Resultado de imagem para pia sundhage

A sueca Pia Sundhage inicia na tarde desta segunda-feira o seu trabalho em campo com a seleção brasileira feminina e já tem que encarar logo de cara um problema. Na noite de domingo, a CBF anunciou o corte da volante Thaisa, do Real Madrid, que assim desfalcará o time nacional no torneio amistoso em São Paulo, nesta semana, que marcará a estreia da treinadora, substituta de Osvaldo Alvarez, o Vadão.

Thaisa foi diagnosticada com uma lesão no músculo gastrocnêmio da perna esquerda, de grau 2. O Real Madrid, através do seu departamento médico, confirmou a lesão da atleta após exames clínicos e de imagem, realizados na Espanha, e comunicou à CBF. A comissão técnica da seleção feminina lamentou a contusão e anunciou a desconvocação.

Para a vaga de Thaisa, Pia Sundhage convocou a meio-campista Aline Milene, da Ferroviária, para a disputa dos dois jogos no Brasil. A meia se apresentou na manhã desta segunda-feira com todo o elenco em São Paulo. O primeiro treino do time será a partir das 16 horas, no CT do São Paulo, no bairro da Barra Funda, na zona oeste da capital paulista.

A competição amistosa, toda realizada no estádio do Pacaembu, terá quatro jogos que serão disputados em rodadas duplas. O primeiro adversário do Brasil será a Argentina, nesta quinta-feira, às 21h30. Antes, às 19 horas, Costa Rica e Chile se enfrentam. Os dois vencedores passam automaticamente para a final, no domingo, às 13 horas. Em consequência, as duas equipes que perderem irão disputar o terceiro lugar, às 10h30.

Matéria originalmente publicada por:  https://istoe.com.br

São Paulo – Brasil – 13:15

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Cinco anos do 7 x 1 diante da Alemanha. Que lições o futebol aprendeu desde então?

Resultado de imagem para Cinco anos do 7 x 1 diante da Alemanha.

Hoje, dia 8 de julho, completa exatamente cinco anos do maior vexame do futebol brasileiro: a goleada sofrida diante da Alemanha por 7 x 1 em pleno Mineirão, em jogo de um semifinal de Copa do Mundo.

Sobre o jogo, pouco a falar. Basta lembrar que alguns jogadores alemães confessaram mais tarde em entrevistas que decidiram tirar o pé, para que a humilhação não fosse ainda maior.

Mas o que mudou no futebol brasileiro desde então? Bom, na época da tragédia, nada mudou. Tanto que havia a expectativa de uma reformulação geral, um novo treinador, nova comissão técnica, novas ideias. Até que em setembro a CBF anunciou o nome do novo técnico: Dunga. Dunga?  “Mais um gol da Alemanha” e um atraso inevitável no ciclo de preparação para a copa seguinte, Rússia 2018. Diante da Bélgica vimos o resultado.

E hoje? Ainda longe de uma organização ideal. A impressão é que vamos demorar para voltar a ser novamente o país do futebol, ou que vamos voltar a conquistar uma Copa do Mundo brevemente.

É preciso tirar os olhos do retrovisor de conquistas e passar a olhar com carinho para o presente. Ajustar calendários, mais transparência e acreditar em trabalho de base, visando resultados a médio e a longo prazo.

O caminho é longo, o desafio é enorme. Mas para que os 7 x 1 não sejam jamais esquecidos, é necessário arregaçar as mangas, trabalhar seriamente, assimilar conhecimentos do futebol que estão praticando em várias partes do mundo sem àquela típica arrogância de que não precisamos aprender nada pois somos os melhores. Não, não somos mais os melhores há muito tempo.

Para finalizar, a tragédia dos sete a um diante da Alemanha há cinco anos, tem que servir como foi a tragédia de 1950 no Maracanã, na derrota diante do Uruguai. Ali, no meio de choros dos torcedores por todo o Brasil, estava nascendo uma nova ideia, uma nova concepção, a do Brasil vencedor de 1958, 1962 e 1970.

Por: Fábio Machado

Matéria originalmente publicada por:  https://ndmais.com.br

São Paulo – Brasil – 17:12

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – Quem foi Cleo de Galsan, a irmã de Pagu que defendia o futebol feminino

Na década de 20, sob pseudônimo, Cleo expunha em jornais sua opinião favorável ao direito das mulheres a qualquer tipo de prática esportiva.

Mulheres jogam futebol em Paris, em 1929 Foto: ullstein bild Dtl. / ullstein bild via Getty Images

Mulheres jogam futebol em Paris, em 1929 Foto: ullstein bild Dtl. / ullstein bild via Getty Images

Anos antes de a irmã mais nova, Patricia Galvão, a Pagu, despontar como um dos símbolos do movimento modernista e entrar para a história, entre outras coisas, como a primeira presa política brasileira, Cleo de Galsan expunha sua opinião favorável ao direito das mulheres à qualquer tipo de prática esportiva, sobretudo aquela que já ganhava contornos de preferida da população.

Não há relatos de que ela tenha chutado uma bola na juventude dos seus 21 anos na região do Brás, em meados da segunda década do século XX, como fizeram contemporâneas suas no Rio e em São Paulo. Preferiu usar a escrita para fazer valer seus argumentos na imprensa diante de um sem-número de homens contrários à presença de mulheres nos gramados e quadras.

Ao ofício do magistério, uniu o de jornalista na seção esportiva do jornal A Gazeta entre os anos de 1924 e 1925. Convite do então noivo Leopoldo Santanna, com quem trabalhou na Escola Normal do Brás, e que era responsável pela editoria de esportes do diário.

Num dos poucos artigos próprios assinados com o pseudônimo (Seu primeiro nome era Conceição. Galsan é a junção de seu sobrenome — Galvão — com o de Leopoldo — Santanna), ela levanta a discussão da validade dos argumentos de médicos, jornalistas e até mesmo outros esportistas no artigo “A mulher e o esporte — O futebol feminino é o jogo recommendado à mocidade feminina”, de 14 de abril de 1924.

“Quanto ao esporte a ser praticado pela mulher — segundo o conselho de  um médico consciencioso e competente — ella pode escolher o que lhe parece melhor, de acordo com sua constituição physica, e também, logicamente, com seu gosto. A natação, aviação, athletismo, corrida rústica, futebol, entre outros, não destoam do sexo — e, uma vez praticados methodica e scientificamente, só podem contribuir para lhe fortalecer os orgams, embelezando-lhe as linhas da plástica”, escreve ela.

Em 1982, o Festival das Mulheres nas Artes, em São Paulo, terminou com um jogo de futebol no Morumbi, que chegou a ser proibido Foto: Arquivo do Museu do Futebol

Em 1982, o Festival das Mulheres nas Artes, em São Paulo, terminou com um jogo de futebol no Morumbi, que chegou a ser proibido Foto: Arquivo do Museu do Futebol

Cleo de Galsan vai além das críticas à sanha proibitiva de boa parte da sociedade (em 1941, o então presidente Getulio Vargas assinaria um decreto-lei proibindo a prática de determinados esportes por mulheres, incluindo o futebol). Foi a primeira da família Galvão a questionar em seus artigos o movimento feminista no Brasil nos anos 20. Tradutora da revista francesa Très Sportive , também incluía seus comentários na versão publicada pela Gazeta .

“Neles, ela procura deixar claro que não se sente representada pelo movimento feminista brasileiro, no qual denuncia a frivolidade e o elitismo das seguidoras. Também acredita que as mulheres devem fugir do padrão lânguido, frágil. Seus corpos devem ser fortes, constituídos a partir de uma vida esportiva ativa. Para isso, devem ser livres para praticar o esporte que quiserem”, explica a doutora em antropologia social pela Universidade Federal de Santa Catarina, Caroline Soares de Almeida, que tem se debruçado sobre os artigos de Cleo de Galsan.

“Mulheres de verdade, formidáveis adversárias do sexo considerado forte, enérgicas batalhadoras pela igualdade de direitos, que saberão cumular, a par de seus ideaes políticos, o de ser mães robustas, sadias, fortes, capazes de crear filhos que sejam homens de valor”, diz trecho de outro artigo publicado pela Gazeta .

Reportagem do GLOBO, de 1976, mostra a prática do futebol nas areias por domésticas na Zona Sul Foto: Reprodução

Reportagem do GLOBO, de 1976, mostra a prática do futebol nas areias por domésticas na Zona Sul Foto: Reprodução

Os pensamentos de Cleo, ou melhor, Conceição se refletem nos escritos e na postura de Pagu. Apesar de ser pouco citada em suas biografias, a irmã mais velha teve certa influência sobre a caçula da família de classe média que circulou pela intelectualidade da capital paulista.

Almeida ressalta que Pagu começou a escrever em jornais locais quase na mesma época que a irmã. Enquanto Cleo, nos anos 20, apontava, mais discretamente, a necessidade de um feminismo mais representativo das mulheres brasileiras, a caçula defenderia, na década seguinte, a militância feminina nas causas das trabalhadoras:

“Esse tipo de consciência reflete o contexto em que essas pessoas estão inseridas. A maioria das mulheres que fazia parte da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino pertencia a uma elite intelectual. Bertha Lutz era bióloga e concursada no Museu Nacional. Júlia Lopes de Almeida era escritora. Estavam muito interessadas na propriedade intelectual — além do direito ao voto, inserção em diferentes profissões etc. Até levantavam bandeiras mais ‘universais’, relativas à maternidade. Mas não representavam a totalidade das brasileiras. Falo isso porque não levavam em conta as realidades vividas por mulheres de outras camadas sociais. Essa é principal crítica à geração de feministas brasileiras de 1920”, diz.

As trajetórias das irmãs, no entanto, tomaram rumos diferentes. Patricia Galvão se tornou a revolucionária Pagu. Cleo passou a ser tão somente Conceição Galvão Santanna no mesmo ano em que começou a escrever para A Gazeta . No ano seguinte, deu nome à primeira filha do casal e os cuidados com a criança a afastou, aos poucos, do jornalismo. Ainda teria um segundo filho, Geraldo. Os poucos documentos disponíveis mostram que se aposentou como professora.

Matéria originalmente publicada por:  https://epoca.globo.com

São Paulo – Brasil – 14:18

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – FIFA apresenta cinco propostas para o futebol feminino, inclusive 32 seleções na Copa de 2023

Fifa apresenta cinco propostas para o futebol feminino, inclusive 32 seleções na Copa de 2023

Foto: REUTERS/Remo Casilli/File Photo

 

Gianni Infantino, presidente da FIFA, definiu a Copa do Mundo de 2019 realizada na França, como um marco para o futebol feminino. Uma empolgação que, ao que tudo indica, pode trazer algumas mudanças pontuais para o cenário da modalidade. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, em Lyon, o dirigente apresentou um discurso entusiasmado, sobretudo com o alcance deste Mundial.

– Antes de falar do futuro, vamos falar um pouco do presente. Essa Copa foi fenomenal, incrível, emocionante, apaixonante e fantástica. A melhor Copa Feminina de todos os tempos, a melhor da história. Temos um ”antes e o depois da Copa de 2019” no futebol feminino – disse o presidente da FIFA.

– Muitas pessoas assistiram futebol feminino pela primeira vez. O que eles viram é futebol. Temos atletas, mulheres e meninas jogando futebol com técnica e tática. Tivemos grandes jogos. Vimos alguns jogos ruins, claro, como em todos os torneios. Mas a maioria dos jogos foi fantástica. Milhares de espectadores (nos estádios), bilhões pelo mundo. Depende de nós garantir a oportunidade para fazermos algo sobre isso.

Após o discurso, Infantino se antecipou às perguntas e apresentou o que chamou de cinco propostas para o futebol feminino. Ele reiterou que as ideias estão na mesa, mas precisam ser apoiadas e votadas pelo conselho da FIFA. São elas:

  • Criação de um Mundial de Clubes Feminino o mais rápido possível
  • Criação da Liga Mundial Feminina (como a Liga das Nações na Europa)
  • Aumento do número de seleções na próxima Copa de 24 para 32
  • Dobrar as premiações na Copa do Mundo de 2023
  • Dobrar o investimento no desenvolvimento do esporte para 1 bilhão de dólares

– É nosso dever não esquecer o que construímos a partir disso. Não podemos apenas daqui a quatro anos fazer uma outra boa coletiva de imprensa. Temos que trabalhar a partir de agora, e é por isso que vou propor ao conselho da FIFA e a todas as associações a abraçar o desenvolvimento do futebol feminino – completou.

Confira as propostas detalhadas:

Mundial de Clubes Feminino

– Gostaria de propor o Mundial de Clubes Feminino começando o quanto antes. Uma Copa do Mundo de Clubes para desenvolver (o esporte) em todo o mundo. Pode ser jogada todo ano, expondo clubes do mundo todo, para elas realmente brilharem num palco mundial de clubes.

Liga Mundial Feminina

– Falei isso em 2017, há dois anos, fizemos uma proposta, conversamos com as associações. Podemos botar na mesa de novo e podemos criar um evento, a Liga Mundial Feminina, um torneio em todo o mundo, em diferentes níveis.

32 seleções na Copa do Mundo

– A terceira proposta é olhar essa Copa e ver os times que não se classificaram, crescer o número de participantes. Fizemos com o masculino, acho que temos que crescer o feminino. Temos uma Copa chegando em 2023, começamos os processos com 24 times (no planejamento), mas teremos que agir rapidamente para ter 32 times em 2023. Vamos agir com urgência para ter isso. Nada é impossível. É baseado no sucesso dessa Copa, temos que acreditar mais, como já fizemos antes.

Dobrar as premiações no Mundial

Dobrar o investimento no esporte

– A quinta é novamente investimento em futebol feminino. Já decidimos investir 500 milhões de dólares no futebol feminino. Há uma reserva (financeira) na Fifa, e parte disso será realocado para o futebol feminino. Quero propor mais 500 milhões (de investimento) em todo o mundo, em competições, temos que investir nisso.

 

 

Matéria originalmente publicada por:  https://globoesporte.globo.com

São Paulo – Brasil – 16:53

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Jornal alemão cita Everton entre alternativas para reforçar o Bayern de Munique nesta janela

Everton ganhou destaque com a Seleção na Copa América — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Everton ganhou destaque com a Seleção na Copa América — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Mais um clube entrou na lista dos interessados em fazer uma investida sobre Everton, do Grêmio. Segundo o jornal TZ, o Bayern de Munique incluiu o jogador na lista de possíveis compras nesta janela de transferências. Ele seria um substituto a Robben e Ribéry caso as negociações com Sané, do Manchester City, e Hudson-Odoi, do Chelsea, sejam frustradas.

Conforme a publicação, desde que o atacante gremista assumiu a titularidade da seleção brasileira no lugar de Neymar seu nome passou a circular no clube alemão. A alta multa rescisória, algo em torno de 80 milhões de euros, pode ser fator determinante para afastar o assédio do Bayern ao jogador de 23 anos.

A polivalência de Everton é um dos motivos para atrair tamanha atenção. Segundo o jornal, ele pode ser uma alternativa a Serge Gnabry e Kingsley Coman nas extremas esquerda e direita, bem como poderia atuar como um centroavante fixo em uma emergencial substituição de Robert Lewandowski.

O Grêmio nega qualquer proposta e já afirmou que aceita abrir negócio a partir de 40 milhões de euros). Cebolinha, por sua vez, afirmou em entrevista recente que pediu para não ser informado sobre nenhuma proposta durante a Copa América, pois pretende se concentrar na conquista do título pela Seleção. Seu empresário, Gilmar Veloz, garantiu que, até o momento, houve apenas sondagens, e que a decisão de vendê-lo é da direção gremista.

No domingo, às 17h, Everton pode ser titular diante de Chile ou Peru, na final da Copa América. O jogador pode conquistar o primeiro título com a camisa verde e amarela, o que ampliaria ainda mais sua exposição para o futebol internacional.

Matéria originalmente publicada por:  https://globoesporte.globo.com

São Paulo – Brasil – 15:59

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – Real Madrid estuda contratação de Marta,diz jornal

Crédito: JEAN-PIERRE CLATOT / AFP

Desejando formar um competitivo time de futebol feminino, o Real Madrid está de olho na contratação da atacante brasileira Marta, que defende atualmente a equipe do Orlando Pride, dos Estados Unidos.

De acordo com o jornal espanhol “As”, a camisa 10 da seleção brasileira seria a líder da equipe madrilenha, que pretende investir pesado para se equiparar aos rivais Atlético de Madrid e Barcelona.

Além de Marta, o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, estaria monitorando as jogadoras Verónica Boquete, do Paris Saint-Germain (PSG), Jennifer Hermoso, do rival Atlético, Ada Hegerberg, do Lyon, e Sam Kerr, do Chicago Red Stars.

Ainda segundo o periódico, Marta já teria avaliado positivamente o interesse do Real Madrid.

A seleção brasileira foi eliminada da Copa do Mundo feminina após a derrota por 1 a 0 diante da França, em Le Havre.

 

Matéria originalmente publicada por:  https://istoe.com.br

São Paulo – Brasil – 12:28

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – Emocionada, Marta pede renovação no futebol feminino brasileiro

Brasil x França - Marta x Le Sommer

Em um duelo equilibrado, o Brasil foi derrotado pela França, por 2 a 1, na prorrogação e deu adeus à Copa do Mundo feminina, neste domingo. Após a partida válida pelas oitavas do torneio, disputada em Le Havre na França, a artilheira Marta deu um relato emocionado para pedir apoio à modalidade e renovação das jogadoras, mas destacou o momento de maior destaque dado pela Copa do Mundo. 

– Sem dúvida, essa Copa do Mundo é um momento especial que temos que aproveitar. É preciso mais valorização. Nós também temos que valorizar o que fazemos. Eu queria estar sorrindo ou chorando de alegria. Temos que chorar no começo pra sorrir no fim. É querer mais, treinar mais, se cuidar mais e estar pronta pra jogar 90 minutos e mais quantos forem. Não vamos ter Formiga, Marta e Cristiane para sempre. O futebol feminino depende de vocês para sobreviver. Valorizem isso! Chorem no começo para sorrir no fim – disse Marta.

Sobre o jogo, a melhor do mundo reconheceu a qualidade das franceses na definição das jogadas, mas valorizou o esforço das companheiras. 

– Demos o nosso melhor. Algumas foram até o fim e outras precisaram ser substituídas porque deram seu máximo. Sabíamos que seria um jogo difícil, com a torcida contra. Fizemos um grande trabalho, mas não conseguimos a vitória. A equipe delas foi melhor nas definições das chances que tiveram. Agora é seguir em frente de cabeça erguida. Sinto muito orgulho dessa equipe.

A goleira Bárbara também falou na zona mista do Stade Oceàne sobre a dificuldade de aceitar a derrota em uma partida em que o Brasil teve boa atuação coletiva. 

– Você não consegue digerir. Perder é muito ruim. Fomos bem na partida, mas infelizmente não fomos as vencedoras. Tínhamos tudo para mudar nossa história. Mas perdemos jogando, lutando, para calar a boca delas, que diziam que iam ganhar a gente fácil.Viram que não é fácil jogar contra o Brasil. Tinha que sair um vencedor e, infelizmente, hoje a noite foi da França – disse a goleira. 

Já a lateral-esquerda Tamires, destacou o fato do Brasil ter lutado de igual para igual com seleções de países que investem mais no futebol feminino. 

– Estudamos bastante o time delas e sabíamos que o lado direito era muito forte. No gol delas não consegui o bote e ela foi feliz no giro. Ainda assim conseguimos o empate. Elas foram felizes na bola parada, na prorrogação. Saímos de cabeça erguida. Fizemos um jogo bom e mostramos nossa força, que podemos bater de frente com grandes seleções, que investem muito no futebol feminino. A gente espera, que mesmo com a derrota, tenha ficado o exemplo de que somos vitoriosas – disse Tamires.

 

Matéria originalmente publicada por:  https://www.lance.com.br

São Paulo – Brasil – 23:08

Siga o Batom e Futebol no Twitter, a casa do Futebol Alemão no Brasil: @Batom_efutebol

Follow Batom and Futebol on Twitter, the home of German Football in Brazil:  @Batom_efutebol

Siga o Batom e Futebol no Facebook, a casa do Futebol Alemão no Brasil:https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Follow Batom and Futebol on Facebook, the home of German Football in Brazil: https://www.facebook.com/BatomeFutebol

Josy Galvão

Futebol Feminino – Marta se torna maior artilheira da história das Copas e é parabenizada pela Seleção Alemã masculina #BRA

Ao fazer 17º gol em Mundiais de futebol, atacante supera marca do alemão Miroslav Klose e dedica recorde às mulheres. Brasileira é também a única jogadora a marcar em cinco Copas.

Marta comemora gol contra a Itália com Thaísa

Marta comemora gol contra a Itália com Thaísa

 

Ao fazer o gol que deu a vitória à seleção brasileira na partida contra a Itália, a atacante Marta se tornou nesta terça-feira (18/06) a maior artilheira da história das Copas do Mundo, tanto na masculina quanto na feminina.

A craque alcançou a marca de 17 gols em Mundiais, superando o recorde do alemão Miroslav Klose, que fez 16 gols em Copas ao longo de sua carreira. A brasileira também é a única jogadora, entre homens e mulheres, a marcar em cinco Mundiais.

“Estamos quebrando muitas barreiras. Esse recorde representa bastante. Pois não é só da Marta, mas é um recorde das mulheres. Muitos dizem ainda que futebol é para os homens, mas este recorde é tanto do futebol masculino quanto do feminino”, declarou Marta no final da partida.

Considerada a melhor jogadora de todos os tempos, Marta, de 33 anos, participou das Copas de 2003, 2007, 2011, 2015 e 2019. Além de superar Klose, a camisa 10 da seleção brasileira abriu três gols de vantagem para as segundas colocadas do ranking histórico feminino, que são a alemã Birgit Prinz e a americana Abby Wambach, ambas já aposentadas.

Além de ser a maior artilheira das Copas, Marta também é recordista em prêmios de melhor do mundo. A atacante já levou seis, superando o português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi, que têm cinco cada um.

Fora dos campos, Marta luta pela igualdade de gênero no esporte. Recentemente, recusou patrocínios de fornecedores de materiais esportivos por receber propostas bem abaixo dos valores oferecidos a atletas masculinos de várias modalidades que possuem representatividade semelhante à dela.

Após superar a marca de Klose, Marta foi parabenizada pela Seleção Alemã masculina. Em sua conta oficial no Twitter, em inglês, os alemães publicaram uma foto de Marta ao lado de uma do Klose com a legenda “Lendas do Jogo”. Aposentado, o artilheiro alemão
marcou 16 gols em Copas, passando o brasileiro Ronaldo justamente no campeonato de 2014, no Brasil.

Apesar da vitória nesta terça-feira, as brasileiras acabaram na terceira posição no grupo, com seis pontos, devido ao melhor saldo de gols da Itália e da Austrália. A adversária da seleção nas oitavas ainda está indefinida, porque é necessário aguardar a definição de todas as terceiras colocadas, mas, de acordo com o emparelhamento definido pela FIFA, poderá ser a França, que joga em casa, ou a Alemanha.

 

Fonte:  https://www.dw.com